Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 20 de Janeiro de 2019

1 9
:
3 0
:
2 0

Últimas Noticias

Torpedos

Cidadão revoltado

Já passou da hora da prefeitura de Confresa se pronunciar quanto à ÁGUAS DE CONFRESA pelo...

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Classificados

Lote

Cidade: Confresa

Anunciante: Leandro

Valor: 18.000,000

saveiro g2

Cidade: confresa

Anunciante: Lucas

Valor: 6.000

Kitnet

Cidade: Confresa mt

Anunciante: Verônica Nascimento

Valor: A combinar

Artigos

24 Nov 2014 - 11:16

Piracema x piscicultura

Agência da Notícia com Redação

 A proibição da pesca extrativa, decretada durante o período da piracema e fundamental para a renovação dos estoques de nossas bacias, já não é mais sinônimo de escassez de peixe, para consumo, no mercado regional, principalmente entre as espécies tradicionais, como o pintado e o pacu.

Atualmente a pesca representa apenas 10% das 60 mil toneladas de peixes previstas para este ano em Mato Grosso. Ou seja, a cada 10 kg apenas 1 kg é pescado. O restante é produzido pelos mais de 1.100 piscicultores espalhados pelo Estado.

Esta relação acontece em Mato Grosso, talvez por ser um estado estritamente continental. Na média, a pesca no Brasil ainda se sobrepõe, ainda que por pouco, à piscicultura, sobretudo por causa da atividade marítima.

Embora o setor esteja crescendo – no Estado e no país – e tenha potencial para ser mais uma estrela do agronegócio, o ritmo ainda é lento e não consegue acompanhar o consumo, bem mais rápido.

O Brasil produz cerca de 1,5 milhão de toneladas (entre pesca e piscicultura), mas consome mais dois milhões (de toneladas) anualmente. Mesmo assim, o consumo de 10,6 kg por pessoa, estimado em 2012, ainda está abaixo do mínimo de 12 kg recomendado pela Organização Mundial de Saúde.

Até outubro deste ano, o país importou 304,8 mil toneladas de pescado, no valor de US$ 1,17 bilhão, contra US$ 153,48 milhões (22,3 mil toneladas) exportadas, segundo o Aliceweb (Sistema de Análise de Informações do Comércio Exterior), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

A tendência é manter ou ultrapassar o déficit de US$ 1,2 bilhão registrado ano passado, por causa do aumento do preço por kg que pulou de US$ 3,476 para US$ 3,852.

Por outro lado, a produção brasileira sequer se destaca nos números mundiais – para se ter uma ideia, a China produz, entre pesca e aquicultura, 57,2 milhões de toneladas de um total 157,9 milhões produzidos em todo o mundo em 2012.

A boa notícia é a oportunidade que esta realidade propicia aos empreendedores/investidores mato-grossenses e brasileiros. Os dois últimos eventos sobre a cadeia produtiva que participei em Cuiabá – Feira Nacional de Peixes Nativos em Água Doce e 1º WorkFish do Centro-Oeste – reforçaram esta certeza, desde que, obviamente, encaremos a atividade profissionalmente.

Para isso, é preciso informação, conhecimento e estímulo. O Canal do Piscicultor (www.canaldopiscicultor.com), no ar há menos de um mês, nasceu com esta missão, a de contribuir para a profissionalização do setor.

A ferramenta possibilita que a cadeia produtiva do peixe tenha acesso, de forma centralizada, a notícias, entrevistas, vídeos, cursos e artigos técnicos, entre outros.

Fazendo o dever de casa, as chances de sucesso na atividade são bem mais amplas.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet