Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 16 de Janeiro de 2019

2 3
:
3 4
:
0 6

Últimas Noticias

Torpedos

Cidadão revoltado

Já passou da hora da prefeitura de Confresa se pronunciar quanto à ÁGUAS DE CONFRESA pelo...

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Campanha Publicitária

Classificados

Lote

Cidade: Confresa

Anunciante: Leandro

Valor: 18.000,000

saveiro g2

Cidade: confresa

Anunciante: Lucas

Valor: 6.000

Kitnet

Cidade: Confresa mt

Anunciante: Verônica Nascimento

Valor: A combinar

Notícias / Artigos e Opinão

21 Jul 2016 - 15:30

Falar o que?

Agência da Notícia com Onofre Ribeiro

Publicidade

Publicidade

 Sem medo de errar dá pra prever que a campanha eleitoral de 2016 para vereadores e prefeitos, será um laboratório. De um lado os eleitores indignados e desconfiados. De outro, os candidatos pressionados pela desconfiança popular. Vítimas dos abusos que vieram à tona nesses últimos meses, os cidadãos estão até à tampa desconfiados com quem lhes peça o voto.

Aqui entra o desafio do chamado discurso eleitoral. O que o candidato vai dizer aos seus eleitores? Em eleições anteriores era fácil. “Vou cuidar da educação, da saúde, da segurança e do meio ambiente”. Era um discurso genérico. Olhe bem. Educação é sozinha um mundo. A saúde é outro. A segurança também. Meio ambiente é pra gente comprometida com o tema. O candidato copiava isso de algum lugar qualquer e saía falando. Sabia quem ninguém iria lhe cobrar nada no futuro. Além do mais, comprando o voto da maioria menos esclarecida, qualquer discurso valia o que valia.

O que mudou? O candidato não poderá comprar votos porque os custos da campanha são mínimos diante da nova lei eleitoral. De outro lado, o eleitor vai vender, se vender, e filmar pra entregar o comprador ao TRE. Indignado, esse eleitor vai votar com mágoas contra tudo o que lhe deram e depois tiraram. Ele era classe D, foi elevado à nova classe C, a chamada nova classe média, e depois lhe tiraram o emprego, os bens financiados e os sonhos. Terreno difícil pro candidato lidar.

De quebra, o marketing que criava ídolos não terá mais dinheiro pra operar os milagres tradicionais. Quem entrar pra disputa precisará ter mesmo convicções, ser conhecido ou ser capaz de convencer o eleitor pelo seu conhecimento naquilo que prometer cuidar. Os candidatos a prefeito em reeleição terão melhor discurso pelo que fizeram e podem prometer no mandato seguinte o que não fizeram no primeiro.

Esse amadurecimento político da cidadania vai enterrar muitas carreiras ao nascer. Boas e ruins. Tudo será determinado pela linguagem usada pelo candidato na sua comunicação com os eleitores. Discursos genéricos dificilmente colarão desta vez. O Brasil começa a amadurecer na base, que é o município. Em 2018, eleições gerais. Essas, penso que serão uma carnificina pros candidatos. Eleitores super atentos!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso
onofreribeiro@onofreribeiro@terra.com.br www.onofreribeiro.com.br

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet