Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 26 de Maio de 2019

1 2
:
0 4
:
2 7

Últimas Noticias

Torpedos

Alternativa

Parabéns ao sindicato rural e prefeitura municipal de vila rica MT 33 anos de aniversario

Camilão iluminado!

Parabenizo a administração municipal que atendeu as diversas solicitações dos munícipes e iluminou...

Camilão às escuras

A situação da praça Camilão é triste. Um dos pouquíssimos espaços públicos para lazer e talvez o...

Enquete

Na sua opinião a reforma da previdência 2019 deve ser aprovada?

Classificados

SANDERO STEPWAY 12/12

Cidade: CONFRESA

Anunciante: RAFAEL GABOARDI BECKER

Valor: A COMBINAR

casa para vender

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A combinar

Ford Focus 2007

Cidade: Confresa

Anunciante: Wilsrley

Valor: 9.000,00

publicidade

Notícias / Artigos e Opinão

1 Ago 2016 - 17:10

Nós e a guerra estratégica – final

Agência da Notícia com Onofre Ribeiro

Publicidade

Publicidade

 Encerro esta serie de três artigos sobre a ferrovia bioceânica chinesa que está em fase de projetos ligando o litoral do Atlântico no Rio de Janeiro ao litoral do Pacífico no Peru. Estaremos diante de uma profunda revolução no Brasil, especialmente do Centro-Oeste pm o que vai acontecer. Abaixo vão algumas considerações sobre as futuras relações entre a China e Mato Grosso.

Neste ano a empresa Hunan Dakang e sua controladora Pengxing adquiriram 57% da participação na trade Fiagril, com sede em Lucas do Rio Verde e um importante player no setor. Proposta: aumentar a industrialização, agregar valor à soja e ao milho na região, antes de transportá-lo futuramente para o porto de Shangai. Agregar valor à produção é o próximo e maior desafio estadual. Aqui entra um dos pontos mais sensíveis da engenharia geopolítica chinesa. Na medida em que começa a fazer joint-ventures (parcerias empresariais) na região, os chineses vão comprando terras assim que o projeto for aprovado no Congresso Nacional, e estabelecendo um território econômico ao longo do trecho da ferrovia, num raio bastante grande. A idéia é criar uma bolha de renda, de negócios e de empregos. Farão financiamentos empresariais em outros moldes...

Levando 57 milhões de toneladas de alimentos por ano, no começo, a ferrovia vai trazer na volta produtos chineses. Isso, porque criando uma zona rica no interior do Brasil e do Peru através da industrialização de produtos agropecuários, abre-se junto um mercado importador de objetos chineses: máquinas, tratores, químicos, automóveis, tratores, eletroeletrônicos, medicamentos, etc. Isso representará uma confusão entre a lógica do comércio mundial para o Brasil hoje e o do futuro. Sem contar a atual logística de transportes que mudará completamente. Tempos novos!

De outro lado, a presença chinesa por aqui será inevitável. Na Fiagril já tem executivos e funcionários vindos da China para participar da administração da trade. Na construção da ferrovia, engenheiros, técnicos e administrativos. Não voltarão pra lá. Aos poucos uma colônia chinesa por essas bandas.

O tema ficará em aberto. Como ação gera reação, certamente muitas coisas mudarão a partir daí nos próximos anos, com poderosos efeitos na logística, na economia, na política, na sociedade, no ambiente de negócios e na nossa vida.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso
onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet