Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 20 de Outubro de 2019

1 9
:
4 9
:
5 9

Últimas Noticias

Enquete

Você é a favor ou contra Lula ir para a prisão domiciliar?

Campanha Publicitária

Internauta AN

Notícias / Educação

2 Dez 2016 - 12:40

Taxa de matrícula de crianças mais pobres em 2015 é menor que a das mais ricas em 2005

Dados divulgados nesta sexta pelo IBGE mostram que 'abismo' na educação da população mais pobre e da mais rica caiu nos últimos dez anos, mas ainda é alto.

Do G1

Publicidade

 Dados da Síntese de Indicadores Socioeconômicos divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na manhã desta sexta-feira (2) revelam a persistência do "abismo" entre a população mais rica e a mais pobre na área da educação. Apesar de a distância entre elas ter diminuído nos últimos dez anos, a comparação da taxa de matrículas de acordo com a renda das famílias mostra que, entre os três quintos da população com a renda mais baixa, a taxa de matrícula na escola de crianças de 4 a 5 anos foi menor em 2015 do que a mesma taxa de 2005 registrada pelas crianças de mesma idade, só que do quinto da população com a renda mais alta.

Para comparar os indicadores, o IBGE separou a população em cinco partes iguais, cada uma representando 20% do total de pessoas em cada faixa etária. Essa separação foi feita de acordo com a renda mensal da família.

Em 2005, 86,7% das crianças de 4 a 5 anos pertencentes a este quinto da população estavam na escola (5º quinto, de acordo com a separação feita pelo IBGE). Em 2015, considerando as crianças de 4 a 5 anos do quinto da população com a renda mais baixa, essa taxa foi de 80%. O 2º quinto e o 3º quinto apresentaram, em 2015, taxas de 82,7% e 85,6%, também menores que a do quinto mais rico registrada há dez anos.

Essa desigualdade também foi registrada em estudantes de outras faixas etárias. Entre os adolescentes de 15 a 17 anos, a proporção de distorção idade-série também caiu em todas as faixas de renda, mas, entre as mais pobres, os números ainda são piores em 2015 do que foram na camada mais rica em 2005.

A distorção idade-série representa os estudantes que estão atrasados na escola em relação ao esperado para sua idade. Por exemplo: considerando os adolescentes de 15, 16 e 17 anos, espera-se que eles já estejam cursando, respectivamente, o primeiro, o segundo e o terceiro anos do ensino médio, mas há casos em que eles ainda estão no ensino fundamental, ou em anos anteriores do ensino médio.

Enquanto entre os 20% de brasileiros mais pobres a distorção idade-série caiu um terço em dez anos (de 64,2% para 40,7%), a mesma distorção entre os 20% dos brasileiros mais ricos recuou de 10,3% para 8,2%. Porém, ela é quase cinco vezes menor do que a defasagem dos estudantes da faixa mais pobre da população.

Os dados divulgados nesta sexta-feira são um recorte das informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), publicada na semana passada.

De acordo com o IBGE, as estatísticas mostram que "houve democratização do perfil dos estudantes no ensino superior nas redes pública e privada, além de aumento da população com ensino superior completo. Contudo, observou-se que a dívida educacional brasileira é histórica e que sua alteração é necessariamente lenta, levando em conta o tempo requerido para a formação de cada nova geração".

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet