Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Quarta-feira 11 de Dezembro de 2019

0 0
:
2 3
:
5 9

Últimas Noticias

Notícias / Educação

19 Dez 2016 - 08:57 | Atualizado em 19 Dez 2016 - 09:01

MPF requer ao IFMT para que reserve vagas para pessoas com deficiência

Atuais processos seletivos da instituição não contam com vagas para PNEs. Segundo o MPF, recomendação é resultado de inquérito civil público.

Do G1

Foto: Leandra Ribeiro/G1

 (Crédito: Foto: Leandra Ribeiro/G1)

Publicidade

O Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) recebeu uma recomendação do Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF-MT) para que disponibilize, nos próximos processos seletivos da instituição, vagas a portadores de necessidades especiais (PNE).

O G1 não conseguiu contato com o instituto. No entanto, ao MPF, a reitoria do IFMT se comprometeu a instituir uma comissão para estudar a situação existente, a fim de analisar a forma de implementação. A instituição afirmou que deve encaminhar o resultado no prazo máximo de 90 dias.

A recomendação é resultado de um inquérito civil público instaurado contra o IFMT para apurar a inexistência de vagas que contemplem esse grupo nos processos seletivos da instituição. Conforme o MPF, em sua política de ação afirmativa, a instituição contempla cotas somente para egressos de escolas públicas, negros, pardos e indígenas.

De acordo com a procuradora da República Samira Engel Domingues, a ausência de vagas para pessoas com deficiência "as coloca em severa desvantagem em relação aos beneficiários de outras ações afirmativas, tais como os egressos de escolas públicas e os abrangidos pelas cotas étnico-raciais, violando, assim o princípio constitucional da isonomia".

Lei federal
O Brasil não possui uma lei federal específica que garanta o direito de ingresso aos PNEs, porém, o MPF argumenta que a Constituição Federal de 1988 estabelece que a educação é direito de todos e dever do Estado no intuito do pleno desenvolvimento da pessoa. Dessa forma, cabe ao estado garantir atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino e acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a capacidade de cada um.

O MPF afirma, argumenta, ainda, que a Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência dispõe que os estados partes assegurarão sistema educacional inclusivo em todos os níveis os assegurando a provisão de adaptações razoáveis para pessoas com deficiência.

De acordo com o órgão, diversas universidades no país já adotam o sistema de cotas e a implantação de cotas aos PNEs é pressuposto lógico e necessário para a concretização do que determina o artigo 37 da Constituição Federal, ao atribuir a reserva de vagas para pessoas com deficiência em concursos públicos. Sendo assim, a ausência de formação profissional é fator impeditivo da integração ao trabalho nas esferas pública e privada.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet