Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Segunda-feira 9 de Dezembro de 2019

1 5
:
0 8
:
3 8

Últimas Noticias

Campanha Publicitária
publicidade

Notícias / Operação Lava Jato

2 Fev 2017 - 18:40

Moro manda soltar ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira, preso na Lava Jato

Fiança foi estipulada em R$ 1 milhão e, depois, reduzida para R$ 200 mil. Ferreira foi preso em junho de 2016 e está detido em Tremembé.

Do G1

Publicidade

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, autorizou nesta quinta-feira (2) a soltura do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) Paulo Ferreira.

Preso em junho de 2016, ele é réu no processo que apura irregularidades nas obras do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da Petrobras, no Rio de Janeiro. A denúncia cita os crimes de lavagem de dinheiro e corrupção.

A fiança, inicialmente, foi estipulada em R$ 1 milhão. Porém, após pedidos de reconsideração feitos pela defesa, o valor foi reduzido para R$ 200 mil pela juíza Gabriela Hardt.

Mesmo com a redução do valor da fiança, foi alegado que Ferrreira estava com dificuldades financeiras para pagar os R$ 200 mil. Ele ainda não pagou valor total da fiança. Moro deu o prazo de 45 dias para que se deposite os R$ 24.988 restantes.

Moro destacou que o argumento da defesa – de dificuldades financeiras – é discutível. "Ele mesmo admitiu ter recebido valores vultosos", diz o termo de audiência.

Segundo o documento, Ferreira já fez o pagamento de R$ 158.770,55, mais R$ 6.241,45, além de ofertar um carro ano 2012/2013.

Ferreira foi detido durante a Operação Custo Brasil, derivada da Lava Jato, e permaneceu na cadeia após Moro determinar uma nova prisão, na 31ª fase da Lava Jato

De acordo com o advogado Elias Mattar Assad, um dos defensores do ex-tesoureiro, a ordem de soltura deverá ser cumpridas nas próximas horas. Ferreira está detido no presídio de Tremembé (SP).

Irregularidades
As obras do Cenpes foram o foco da 31ª fase da Operação Lava Jato, desencadeada em julho do ano passado. Conforme o Ministério Público Federal (MPF), o Consórcio Novo Cenpes pagou R$ 20 milhões em propina para conseguir o contrato para execução das obras do Centro de Pesquisa de Petrobras.

A irregularidade, segundo o MPF, ocorreu entre 2007 e 2012. A força-tarefa da Lava Jato afirma que o dinheiro foi repassado para funcionários do alto escalão da Petrobras e representantes do PT.

O ex-tesoureiro também é réu em outro processo na Justiça Federal de São Paulo, pela Operação Custo Brasil.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet