Agência da Notícia

Portal Mato Grosso

Agência da Notícia, Quinta-feira 20 de Julho de 2017

2 3
:
2 5
:
5 0

Últimas Noticias

Torpedos

Chefe mal educado

Fui até o escritório das Águas para falar sobre essa água próximo ao posto tigrão,fui mal...

Poucos Preocupados

E um vazamento aqui na rua Canaã que já tem quase 60 dias e eles não vem consertar ligo e eles...

AGUA PROXIMO AO POSTO TIGRÃO

VERGONHOSO ESSA AGUA NUMA VIA PUBLICA. AUTORIDADES, CADE VCS???

Enquete

Você é a favor ou contra o desvio do trajeto original da BR-158 ?

Classificados

Chácara

Cidade: Confresa-MT

Anunciante: Antonio Vale

Valor: 90 mil

TERRENO

Cidade: Confresa

Anunciante: Cassiano

Valor: 50.000

KIT NET

Cidade: PORTO ALEGRE DO NORTE - MT

Anunciante: MÁRCIO OU MÔNICA (LOJA DA OI DO PAN)

Valor: 500,00

Newsletter

Notícias / Geral

17 Jul 2017 - 08:11

Ministério Público Federal investiga desmatamento ilegal em Querência

Inquérito vai apurar se o desmate de 609 hectares ocorreu dentro do Projeto de Assentamento Brasil Novo

Agência da Notícia com Redação

Reprodução/Ilustrativa

 (Crédito: Reprodução/Ilustrativa)
O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT), por meio da sua unidade em Barra do Garças, instaurou inquérito civil público com o objetivo de apurar desmatamento ilegal na região do município de Querência, distante 724 km de Cuiabá, região nordeste do estado.

O inquérito teve início na Promotoria de Justiça de Querência, a partir de auto de infração emitido pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), em desfavor de um cidadão, pelo desmate mediante uso de fogo de 609,32 hectares de vegetação nativa em área supostamente inserida no Projeto de Assentamento Brasil Novo.

De acordo com o procurador da República Rafael Guimarães Nogueira, o desmatamento ilícito em assentamentos rurais já é objeto de acompanhamento e investigações pelo MPF e pode acarretar a exclusão do assentado do programa de reforma agrária, além de sua punição administrativa (multa), civil (valor necessário para recuperação ambiental) e criminal (prisão ou penas alternativas).

No despacho que antecedeu o inquérito consta informação do relatório de autuação, realizado pela Sema em razão do incêndio e desmatamento. De acordo com os dados, foi possível a verificação de indícios suficientes de ilicitude para investigação. Porém, as imagens dos mapas não são claras quanto à localização da área em assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Dessa forma, além da instauração do inquérito civil, o MPF também solicitou à Sema o comparecimento de servidor na procuradoria para que possa esclarecer se área desmatada encontra-se dentro do assentamento do Incra.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet