Agência da Notícia

Portal Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 21 de Novembro de 2017

2 1
:
0 7
:
1 4

Últimas Noticias

Torpedos

Estrada do guardanapo

Está uma vergonha a estrada entre Espigão do Leste e Canabrava do norte, todo ano a mesma coisa e...

ONIBUS ESCOLAR

Há algum tempo abordei aqui mesmo um assunto de suma importância. Referente ao transporte escolar...

SAÚDE EM CONFRESA

Acho um absurdo o que Acontece com o Hospital em Confresa e com os PSF, pois a Sociedade não tem...

Enquete

Na sua opinião em 10 meses de governo, qual desses sete prefeitos está se saindo melhor?

Classificados

Lote Comercial Jardim do Edem

Cidade: confresa

Anunciante: Devande

Valor: 150.000,00

Home Studio (Estúdio de audio)

Cidade: Vila Rica

Anunciante: Ian

Valor: R$ 1800,00

Procuro Kitnet para Alugar

Cidade: Confresa

Anunciante: PAULO LANFRANCHI

Valor: a combinsr

Newsletter

Notícias / Geral

17 Jul 2017 - 08:11

Ministério Público Federal investiga desmatamento ilegal em Querência

Inquérito vai apurar se o desmate de 609 hectares ocorreu dentro do Projeto de Assentamento Brasil Novo

Agência da Notícia com Redação

Reprodução/Ilustrativa

 (Crédito: Reprodução/Ilustrativa)
O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT), por meio da sua unidade em Barra do Garças, instaurou inquérito civil público com o objetivo de apurar desmatamento ilegal na região do município de Querência, distante 724 km de Cuiabá, região nordeste do estado.

O inquérito teve início na Promotoria de Justiça de Querência, a partir de auto de infração emitido pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), em desfavor de um cidadão, pelo desmate mediante uso de fogo de 609,32 hectares de vegetação nativa em área supostamente inserida no Projeto de Assentamento Brasil Novo.

De acordo com o procurador da República Rafael Guimarães Nogueira, o desmatamento ilícito em assentamentos rurais já é objeto de acompanhamento e investigações pelo MPF e pode acarretar a exclusão do assentado do programa de reforma agrária, além de sua punição administrativa (multa), civil (valor necessário para recuperação ambiental) e criminal (prisão ou penas alternativas).

No despacho que antecedeu o inquérito consta informação do relatório de autuação, realizado pela Sema em razão do incêndio e desmatamento. De acordo com os dados, foi possível a verificação de indícios suficientes de ilicitude para investigação. Porém, as imagens dos mapas não são claras quanto à localização da área em assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Dessa forma, além da instauração do inquérito civil, o MPF também solicitou à Sema o comparecimento de servidor na procuradoria para que possa esclarecer se área desmatada encontra-se dentro do assentamento do Incra.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet