Agência da Notícia

Portal Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 18 de Agosto de 2017

0 3
:
4 7
:
3 7

Últimas Noticias

Torpedos

EXCESSO DE VELOCIDADE NA AV. INDUSTRIAL

Sinceramente é absurda a velocidade que Caminhões, carros e motos desenvolvem na Av. Industrial...

Espigão do Leste

Pessoal ,Espigão do Leste precisa de um médico urgente,os Enfermeiros daquela localidade estão...

Costela de vaca

Prefeito de Cana Brava do Norte tenha piedade do pessoal de Primavera do Fontoura e demais...

Classificados

LOTE

Cidade: Confresa

Anunciante: Jaqueline

Valor: 25.000,00

Kitnet

Cidade: Confresa

Anunciante: Pedro

Valor: a combinar

FAZENDA ESCRITURADA - 220 HA = 1064 HECTARES - 3 MATRICULAS

Cidade: CONFRESA

Anunciante: LEONARDO

Valor: 23 MIL POR ALQUEIRE

Newsletter

Notícias / Política

12 Ago 2017 - 08:49

Silval: ele e Maggi deram R$ 6 mi para Eder mudar depoimento

Ex-governador diz que foram pagos R$ 6 milhões a ex-secretário de Fazenda para inocentá-los

Agência da Notícia com Mídia News

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB), em delação premiada, afirmou que ele e o também ex-governador e atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), pagaram R$ 6 milhões ao ex-secretário de Fazenda, Eder Moraes, para que este mudasse sua versão sobre um esquema de corrupção e os inocentasse em depoimento à Justiça.
 
A informação foi revelada em reportagem exibida pelo "Jornal Nacional", da Rede Globo, na noite desta sexta-feira (11).
 
Conforme a reportagem, a delação foi firmada com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e homologada na última quarta-feira (9) pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).
 
O esquema citado por Silval teria relação com a Operação Ararath, que investiga crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro nacional.
 
A operação resultou em várias ações, dentre elas uma que investiga suposta compra de vaga no Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), por R$ 12 milhões.
 
Esta ação teve como base documentos e informações prestadas por Eder Moraes ao Ministério Público Estadual (MPE) e à Polícia Federal.
 
De acordo com a reportagem, após revelar o esquema, em 2014, Eder procurou Silval e  Maggi e pediu R$ 12 milhões para mudar sua versão.
 
MidiaNews
 Eder Morais
O ex-secretário Eder Moraes, que teria recebido R$ 6 milhões para mudar depoimento
Silval contou à PGR que ele e Maggi aceitaram pagar metade do valor exigido, sendo que cada um arcaria com R$ 3 milhões.
 
A parte paga por Maggi, de acordo com Silval, foi entregue a Eder em 2014 e 2015 pelo empresário Gustavo Capilé, diretor do jornal Diário de Cuiabá.
 
Já os R$ 3 milhões de Silval teriam sido repassados a Eder por meio de Silvio Araújo, ex-assessor do ex-governador.
 
Mudança de versão
 
Após o pagamento, conforme a reportagem, Eder acabou mudando de versão. Ele chegou a se retratar do depoimento e pedir que suas declarações não fossem levadas em conta como prova, mas a Justiça negou os pedidos.
 
Na época, o ex-secretário alegou que havia mentido no primeiro depoimento, em razão de ter sido "tomado pela emoção" por não ter sido indicado para a vaga no TCE.
 
A mudança de versão, no entanto, foi levada em conta na decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), que decidiu arquivar o inquérito que apurava a possível participação de Blairo Maggi no esquema.
 
Como a delação revelou que a versão de Eder seria mentirosa e "paga com propina", segundo a reportagem, a PGR poderá abrir novos inquéritos ou até solicitar a reabertura da investigação contra o ministro.
 
Envolvimento de Bezerra e Wellington
 
Ainda na delação, Silval tambem teria citado que o deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) recebeu R$ 4 milhões para apoiar uma candidatura à Prefeitura de Cuiabá. O nome do candidato não foi citado.
 
O senador Wellington Fagundes (PR), conforme a reportagem, também foi citado por Silval como beneficiário de propinas de construtoras, a título de doações de campanha.
 
Bezerra se defendeu dizendo que o pagamento citado por Silval "não tem fundamento", uma vez que ele faz parte do diretório estadual do partido e não interfere em eleições municipais.
 
Já Wellington alegou que todas que as doações recebidas por ele constam em sua prestação de contas à Justiça Eleitoral.
 
Por sua vez, o ministro Blairo Maggi, em nota, disse nunca fez ou autorizou qualquer pagamento para que Eder mudasse sua versão e classificou a acusação como "mentirosa, leviana e criminosa".
 
Ele ainda afirmou que jamais usou meios ilícitos na sua vida pública ou em suas empresas.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet