Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quinta-feira 20 de Setembro de 2018

0 3
:
3 7
:
5 7

Últimas Noticias

Torpedos

Resposta ao Sr Lásaro

Discordo totalmente do que escreveu Sr Lásaro. A Polícia Militar, Conselho Tutelar e TJMT são...

Abandono TJMT/ e CONSELHO TUTELAR, E OUTROS

Vejo não só adolescentes, mais também as crianças abandonadas em PAN e CONFRESA-MT, até mesmo do...

Tráfico de drogas

Em atenção aos comentário feito pelo "Majestoso", viemos por meio deste informar que o NPM Luciara...

Classificados

Sítio

Cidade: Novo São Joaquim

Anunciante: Fernando nunes parreira

Valor: 165.000

CrossFox

Cidade: Vila Rica

Anunciante: Ferreira

Valor: 30.000

Deposito - Centro - 100²

Cidade: Confresa

Anunciante: LEONARDO

Valor: A Combinar

Newsletter

Notícias / Geral

13 Mar 2018 - 15:10

CGE abre processo contra JBS; multa pode passar de R$ 34 bi

Empresa é acusada de pagar propina a integrantes do Governo Silval em troca de incentivos fiscais

Mídia News

O controlador-geral do Estado Ciro Rodolpho Gonçalves instaurou um processo administrativo de responsabilização contra a empresa JBS, conforme portaria publicada no Diário Oficial que circula nesta terça-feira (13).
 
Conforme apurou o MidiaNews, o processo pode resultar em uma multa de até 20% do faturamento bruto da empresa no ano de 2017.
 
Considerando que em 2016, por exemplo, a JBS teve um faturamento de R$ 170 bilhões, a multa aplicada à empresa pode passar dos R$ 34 bilhões.
 
Caso responsabilizada, a JBS também pode ficar impedida de contratar com o poder público por um prazo de até cinco anos, em todo o País.
 
O processo de responsabilização é fruto da delação premiada firmada pelo ex-governador Silval Barbosa junto à Procuradoria Geral da República (PGR) e que foi homologada em agosto do ano passado pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).
 
Em sua delação, Silval relatou que o empresário Wesley Batista pagava propinas em troca de incentivos fiscais no Estado.
 
O fato já havia sido confirmado pelo próprio Wesley em sua delação, na qual ele afirmou ter pagado um total de R$ 30 milhões em propina ao ex-governador de Mato Grosso.  
 
Em janeiro deste ano, ao prestar novos esclarecimentos à CGE, o ex-governador Silval Barbosa deu mais detalhes do esquema de propina que subsidiam o processo administrativo instaurado pela Controladoria.
 
Propina & dívidas de campanha
 
As propinas pagas pelo sócio do Grupo JBS na gestão de Silval teriam quitado duas dívidas de R$ 7 milhões cada, contraídas pelo político.
 
Em sua delação, Silval contou que durante a eleição de 2010 visitou o então presidente do Grupo JBS S/A, Joesley Batista, em São Paulo (SP), e pediu ajuda para custear a campanha, “tendo em vista que o Grupo JBS S/A tinha várias plantas frigoríficas no Estado de Mato Grosso e também por ser uma empresa de grande capacidade financeira”.
 
Já em 2011, com a troca da presidência do grupo pelo irmão de Joesley, Wesley Batista, Silval disse que acertou com Wesley que a JBS pagaria propinas anuais a ele, para ajudar nas dívidas remanescentes de campanha e compromissos políticos, em troca de concessão de benefícios fiscais ao frigorífico.
 

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet