Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 20 de Março de 2019

1 0
:
4 6
:
1 9

Últimas Noticias

Torpedos

Br 158 120 km já

venho aqui chamar a atenção de nossos representantes para que seja cobrado o asfaltamento com...

Colaborador

Quero deixar aqui meu comentário não é só a dona Gé que está trabalhando para os órgãos públicos...

Agenora na Educação

Eu vi a Agenora na Prefeitura ontem, lá na Educação. Mas a justiça não proibiu??? Pelo jeito ela...

Enquete

Qual é sua avaliação referente ao Governo de MT, Mauro Mendes ?

Campanha Publicitária

Classificados

Fazenda

Cidade: Santa Terezinha

Anunciante: Raimundo

Valor: 240.000,00

TERRENO URBANO

Cidade: ALTO ARAGUAIA

Anunciante: CLAYTON REGIS CARNIEL

Valor: 30.000,00

FAZENDA 100 ALQUEIRES PARA GADO

Cidade: TERRA NOVA DO NORTE MT

Anunciante: CLAYTON REGIS CARNIEL

Valor: 2.500.000,00

publicidade

Notícias / Nos Bastidores

25 Abr 2018 - 09:21

Juíza condena ex-donos de autoescolas por venda de CNHs

Dois empresários e três “clientes” foram alvos da condenação; eles terão direitos políticos suspensos

Mídia News

Publicidade

Publicidade

A juíza Célia Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, condenou cinco pessoas envolvidas em um esquema de fraude na obtenção de Carteira Nacional de Habilitação (CNH).
 
A decisão é do dia 19 de abril e cabe recurso. Foram condenados os empresários Carlos Alberto Mattiello Sobrinho e Manoel Militino Pinto de Miranda; e os “clientes” das carteiras falsas Ataídes Marques, Sebastião Vital e Epifânio Ferreira.
 
Os cinco tiveram os direitos políticos suspensos por três anos e estão proibidos de contratar com o poder público pelo mesmo período, além de ter que pagar R$ 2 mil cada, a título de multa.
 
De acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), os então estagiários do Detran Alcindo e Rinaldo (que respondem a uma ação em separado) usavam o Sistema de Confecção de Carteiras de Habilitação e inseriam dados falsos, possibilitando que carteiras de habilitação fossem emitidas, mesmo sem que os condutores tivessem se submetido aos exames indispensáveis.
 
O MPE narrou que a dupla agia a mando de Carlos Sobrinho e Manoel Miranda, que eram diretores de autoescolas, e responsáveis pela “venda” das CNHs aos alunos.
 
O órgão ainda afirmou que Ataides Marques, Sebastião Vital e Epifânio Ferreira sabiam que a prática era fraudulenta.
 
Em suas defesas, os três “clientes” alegaram que não tinham intenção de obter a CNH de maneira ilícita.
 
Ataídes Marques relatou que Carlos Mattiello Sobrinho o convenceu a adquirir a CNH “e que pagou ao diretor da autoescola a quantia de R$ 900,00 para obter o documento”. Ele disse que  agiu de boa-fé “diante de seu total desconhecimento da lei”.
 
Epifânia Ferreira disse ter pago o mesmo valor a Manoel Militino Miranda.
 
“Declarou não ter feito qualquer tipo de teste ou prova teórica ou prática, para obter a carteira de habilitação, apenas entregou seu CPF, uma fotografia 3x4 e fez o pagamento”.
 
Todos os requeridos agiram dolosamente, os que obtiveram a carteira falsa porque foram beneficiados ilegalmente e, os que intermediram a trama porque viabilizaram a manipulação dos dados e do procedimento pelos agentes públicos
 
Já Sebastião Vital argumentou que obteve a CNH de maneira lícita, pois “passou por todos os testes e exames, portanto, não havia motivo para ter sido incluído no polo passivo da ação”.
 
O empresário Manoel Militino Miranda, ex-dono da Real Auto Escola, afirmou que apenas encaminhava os documentos dos interessados ao Detran/MT para o processo de primeira habilitação e que nunca participou de fraudes. O mesmo argumento foi usado pelo empresário Carlos Mattielo Sobrinho.
 
Improbidade comprovada

 
Com base nos interrogatórios e nos depoimentos das testemunhas, Célia Vidotti concluiu que as carteiras de habilitação de Epifânio e Ataídes foram obtidas de maneira ilegal.
 
Quanto a Sebastião Vital, a magistrada também refutou a tese dele de que teria passado em todos os testes para conseguir o documento.
 
“O requerido Sebastião também foi beneficiado com a manipulação de dados nos sistema do Detran/MT, ao ter seus dados sobrepostos ao registro que pertencia a Alessandro Russo Duarte. Verifica-se, ainda, que na CNH juntada aos autos pelo requerido à fl. 1.056, consta como registro de 1ª habilitação 19/02/1993, muito antes do período em que alega ter dado entrada no requerimento para primeira CNH e, surpreendentemente, quando o requerido tinha apenas dezesseis anos de idade”. 
 
Ela registrou que Sebastião não trouxe nenhuma prova de que fez o procedimento regular para obter a CNH.

“Com tais fundamentos, ficou evidente o envolvimento indireto do requerido Sebastião Vital da Silva, uma vez que foi beneficiado diretamente com obtenção fraudulenta da CNH”.
 
Para Célia Vidotti, o envolvimento dos empresários Carlos Alberto Mattiello Sobrinho e Manoel Militino Pinto de Miranda nas fraudes ficou “evidente”.
 
“Em que pese os depoimentos dos requeridos Manoel e Carlos, no sentido de não terem cometido qualquer irregularidade, resta evidenciada a fraude, primeiro porque declarada pelos requeridos Epifânio e Ataídes, segundo porque é impossível imaginar que os requeridos obtiveram as CNHs sem qualquer intermediador, ou que o estagiário e Alcindo realizaram as alterações por sua livre e espontânea vontade e sem nenhum incentivo ou direcionamento”.
 
A juíza ainda rejeitou o argumento de que os compradores das carteiras eram pessoas sem instrução e que não tinham ciência das irregularidades.
 
“Desse modo, tem-se que todos os requeridos agiram dolosamente, os que obtiveram a carteira falsa porque foram beneficiados ilegalmente e, os que intermediram a trama porque viabilizaram a manipulação dos dados e do procedimento pelos agentes públicos. Consigno, igualmente, não persistir a tese de ignorância sustentada por Epifânio e Ataíde, uma vez que ninguém poderá alegar desconhecimento da lei para justificar seu descumprimento”, decidiu.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet