Agência da Notícia

Portal Mato Grosso de noticias

Agência da Notícia, Segunda-feira 25 de Junho de 2018

1 4
:
2 7
:
2 0

Últimas Noticias

Torpedos

CICLOVIA

Porto Alegre tem um alto numero de ciclistas que trafegam na avenida... isso é perigoso, poderia...

DENUNCIA CRIME AMBIENTAL

Venho por meio deste denunciar o crime ambiental que vem ocorrendo no córrego cacau onde ocorre a...

crime ambiental

Quero aqui denunciar um crime ambiental que vem acontecendo no "RIO CACAU", tem uma draga de areia...

Classificados

terra

Cidade: vila rica

Anunciante: idete

Valor: acobina

aluga casa

Cidade: confresa

Anunciante: luana lopes

Valor: ate 800

terreno

Cidade: confresa

Anunciante: Evandro

Valor: a combinar

Newsletter

Notícias / Geral

13 Jun 2018 - 08:46

Ministério Público Federal pede R$ 215 milhões de indenização por canalização de água do rio Araguaia

O objetivo é a reparação material e econômica dos danos ambientais causados, inclusive do dano moral coletivo ambiental

Redação

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
O Ministério Público Federal (MPF) em Goiás ajuizou, na última terça-feira (5), ação civil pública (ACP) em desfavor do proprietário rural Lusenrique Quintal. O objetivo é a reparação material e econômica dos danos ambientais causados, inclusive do dano moral coletivo ambiental, nas fazendas Santa Rita do Araguaia e Rio Araguaia, de propriedade do réu, localizadas no município de Jussara (GO), na margem direita do Rio Araguaia.

De acordo com a ação do MPF, uma série de irregularidades vêm sendo praticadas por Lusenrique Quintal no empreendimento, com a grave omissão da ANA e da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de Goiás (Secima). Esses órgãos concederam outorgas para captação de água e algumas licenças ambientais fracionadas sem a análise do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (Rima). Tais documentos, acompanhados da realização de audiência pública, são medidas impostas pela legislação ambiental.

Entre as principais irregularidades nas atividades de irrigação, cabe ressaltar a captação de água diretamente do Rio Araguaia, sem a devida licença ambiental de funcionamento; desmatamentos de Áreas de Preservação Permanente (APP) e de Reserva Legal e construção de barragens, também sem as necessárias licenças ambientais. Além disso, há a prática ilícita de fracionar o licenciamento ambiental para atividades de irrigação, o que oculta os danos ambientais cumulativos e sinérgicos causados por todo o conjunto do empreendimento.

Para a procuradora da República Léa Batista de Oliveira, autora da ação, “além dos danos ambientais materiais a serem reparados, fica evidente, no caso, a existência de dano moral coletivo, tendo em vista que a degradação do meio ambiente atinge interesse difuso da sociedade, que tem seu direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente equilibrado atingido”.

Em outubro de 2017, Luzenrique Quintal, o Estado de Goiás e a ANA foram alvo de ACP pelos mesmos motivos. Na época, o MPF, juntamente com o Ministério Público de Goiás (MP-GO), pediu a proibição de Lusenrique captar água no Rio Araguaia e seus afluentes, até que se regularize definitivamente o licenciamento ambiental, e a cessação do desmatamento, sob pena de aplicação de multa diária. Pediu, ainda, a anulação de todas as licenças ambientais expedidas pela Secima e a suspensão das outorgas concedidas pela ANA e pela Secima (clique aqui e leia a notícia).

Na esfera criminal, o MPF ofereceu, em setembro de 2017, denúncia contra Lusenrique pela prática de vários crimes ambientais previstos na lei nº 9.605/97. Se condenado, pode pegar até 24 anos de prisão.

Pedidos: na ação, o MPF pede a condenação do réu em obrigação de fazer consistente: na recuperação e reparação das áreas de APP e de Reserva Legal, fixando-se multa diária por descumprimento; na retirada do pivô localizado em região de nascente, dos seis pivôs que estão sobre curso hídrico natural perene e de outros sete instalados em área de APP, também fixando-se multa diária por descumprimento. Além disso, pede a condenação de Luzenrique ao pagamento de indenização referente aos danos ambientais materiais causados no valor de mais de R$ 215 milhões e ao pagamento por danos morais coletivos ambientais e por lucro cessante ambiental, em valor a ser fixado pelo Juízo para cada um, não inferior ao correspondente a 10% de R$ 215 milhões.

Para mais informações, clique aqui e leia a íntegra da inicial da Ação Civil Pública (Processo eletrônico nº 1003503-90.2018.4.01.3500 – 3ª Vara Federal Cível da SJ/GO).

Há um ano, o caso das fazendas em Jussara tem tomado repercussão nacional devido a amplitude de possíveis crimes ambientais cometidos pelo proprietário. Em março de 2017, o fazendeiro foi indiciado, mas, já em 2016, a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente (Dema) constatava danos ambientais devido à canalização de água do rio, na região.

A revista Gente Centro-Oeste, editado pela Edição Publicidade, responsável pelo Semana7, publicou na 10ª edição, matérias sobre a degradação do rio Araguaia. A reportagem, que menciona os casos em Goiás, dá conta de pesquisas que apontam para o surgimento de grandes extensões de bancos de areia no rio Araguaia. Esse dado indica que o rio tem sofrido assoreamento e perdido profundidade de leito.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet