Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 14 de Novembro de 2018

0 9
:
2 8
:
5 8

Últimas Noticias

Torpedos

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Reposta ao Cidadão Portoalegrese

Não sei quem é vc. quanto ao fato narrado, é fato e nem todos sabem, por isso expus, mais muitos...

Enquete

Na sua opinião quais são as prioridades do novo governador de MT ?

Classificados

CASA

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A COMBINAR

Dia 08/ 12 /2018 acontecerá o 5°leilão Direito de Viver, do hospital do Amor de Barretos!!

Cidade: NOVO SANTO ANTÓNIO-MT.

Anunciante: SANDRA MARACAIPE

Valor: a combinar

Casa

Cidade: Confresa

Anunciante: Joyce correia

Valor: 500

Newsletter

Notícias / Geral

10 Jul 2018 - 07:48

Após mais de um mês, bebê enterrada viva deixa UTI e já pode receber alta

Ministério Público deve se posicionar nas próximas horas a respeito de onde recém-nascida deve ficar

Mídia News

Publicidade

A recém-nascida indígena que foi enterrada viva pela avó e bisavó, em Canarana, teve melhora em seu quadro e já deixou a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Misericórdia da Capital. Segundo a assessoria de imprensa da unidade médica, ela já está em condição de receber alta hospitalar.
 
No entanto, a direção do hospital aguarda um posicionamento do Ministério Público Estadual (MPE) sobre para onde a menina deve ser direcionada.
 
Isso porque a bebê foi enterrada viva pela avó e bisavó no quintal de casa, o que inviabilizaria seu retorno para o lar.
 
A mãe, uma indígena de 15 anos, teria dado à luz no dia 5 de junho. No mesmo dia ela foi internada e no seguinte transferida para a Capital.
 
Agora a recém-nascida está sob tutela do Estado. O MPE atua no caso por meio da Promotoria da Infância.
 
Quadro médico
 
A menina apresentou melhora nos últimos dias. Antes, porém chegou a correr risco de morrer, após ter ficado por cerca de 7 horas soterrada.
 
Ela ainda apresentou infecção generalizada, distúrbio de coagulação e uma hemorragia digestiva - que exigiu transfusão de sangue.
 
"Costume da etnia"
 
No local, a bisavó confirmou o ato, dizendo que a criança teria nascido morta por ser prematura. Ela alegou que não comunicou a ninguém por ser este um "costume da etnia".
 
Uma enfermeira da Casai (Casa de Saúde do Índio), ao assumir o expediente, soube do caso e avisou a polícia e o chefe da unidade. 
 
O local foi isolado pela equipe policial para o trabalho da perícia técnica. Mas, ao escavarem, os policiais ouviram o choro do bebê.
 
No decorrer das investigações da Polícia Civil, foram colhidos depoimentos que apontaram que a família não aceitava a gravidez pelo fato de a adolescente ser mãe solteira.
 
A bisavó da criança está presa, e responde a um processo por ter articulado todo o processo para tentar matar a criança.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet