Agência da Notícia

Portal Mato Grosso de noticias

Agência da Notícia, Sábado 21 de Julho de 2018

0 3
:
0 3
:
1 3

Últimas Noticias

Torpedos

Vale do Araguaia

ENTÃO TÁ CHEGADO MAS UMA ELEIÇÃO MAS QUE CHANCE DEMOS PARA O NOSSO ARAGUAIA? CANTIDADO Á...

RESPOSTA AO CIDADÃO

Caro cidadão isso é uma AMBULÂNCIA e não um táxi ou uber... o papel é socorrer vitimas...

PREFEITO DANIEL DO LAGO

Precisei de uma ambulancia para me levar do hospital para casa porque eu não conseguia andar...

Classificados

procuro emprego

Cidade: confresa

Anunciante: josieli Basilio

Valor: A combinar

CASA

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A COMBINAR

CASA OU KITNET

Cidade: Confresa- MT

Anunciante: Mayara Secco

Valor: 750

Newsletter

Notícias / Geral

11 Jul 2018 - 14:47

Indústria de MT foi a mais afetada pela greve dos caminhoneiros

Midianews

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
A paralisação de caminhoneiros ocorrida entre 21 de maio e 2 de junho afetou a produção industrial de 14 dos 15 estados investigados pelo IBGE em sua Pesquisa Industrial Mensal. 

Segundo o instituto divulgou nesta quarta-feira (11) os estados cuja produção sofreu em maio o maior impacto foram Mato Grosso (-24,2%), Paraná (-18,4%), Bahia (15%) e Santa Catarina (-15%). 

 São Paulo (-11,4%) e Rio Grande do Sul (-11%) completam a lista dos estados cujas perdas em maio superam a média nacional.

 Bloqueios de estradas e o consequente desabastecimento de alimentose combustíveis levaram à produção industrial brasileira em maio a uma perda de 10,9% em relação a abril. 

Quase todos os estados pesquisados tiveram em maio perdas que superaram ganhos nos meses anteriores.

 A exceção foi o estado do Pará, o único da lista de 15 estados investigados pelo IBGE que teve alta na produção de maio, de 9,2%.

 Goiás (-10,9%), Minas Gerais (-10,2%), Pernambuco (-8,1%), Rio de Janeiro (-7%), Ceará (-4,9%), Amazonas (-4,1%) e Espírito Santo (-2,3%) também registraram queda em maio.

 Apesar das fortes perdas no período, a produção industrial brasileira acumula alta de 2% no período de janeiro a maio deste ano. Sete estados, porém, tem saldo negativo, com destaque para o Espírito Santo, que teve queda de 5,1% na produção nos cinco meses. 

De acordo com o IBGE, a paralisação de caminhoneiros que durou 11 dias desarticulou a produção nacional. Diversas indústrias sofreram o impacto da mobilização, seja porque ficaram sem insumos para a produção, seja porque seus funcionários não conseguiram chegar às linhas de produção. 

 Durante a paralisação, houve falta de alimentos importantes na cesta básica do brasileiro, já que diversos caminhões de legumes, verduras e frutas não chegaram aos seus destinos finais. Centros de distribuição de alimentos de várias capitais brasileiras registraram faltas de produtos como cebola e batata inglesa, cujos preços dispararam. 

Também houve falta de combustíveis nos postos, já que com motoristas de braços cruzados os caminhões que faziam a entrega de gasolina e diesel da refinaria para os postos deixaram de circular.

Houve ainda registro de piquetes nas portas das principais refinarias da Petrobras pelo país. O resultado foi o desabastecimento de combustíveis, que demorou alguns dias para se recuperar apesar do fim da paralisação. 

Ao término da mobilização, houve uma corrida de consumidores a postos de combustíveis e supermercados atrás dos produtos que faltaram no período, o que estendeu ainda mais o período de desabastecimento. 

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet