Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 15 de Dezembro de 2018

1 6
:
0 4
:
2 9

Últimas Noticias

Torpedos

Cidadão revoltado

Já passou da hora da prefeitura de Confresa se pronunciar quanto à ÁGUAS DE CONFRESA pelo...

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Enquete

Na sua opinião, o novo presidente eleito Jair Bolsonaro deve manter o novo ou o antigo traçado da BR-158?

Campanha Publicitária

Classificados

CASA

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A COMBINAR

casa - setor Santa Luzia

Cidade: Confresa

Anunciante: Ana Paula

Valor: a combinar

LOTE DE ESQUINA COM 2 CASAS

Cidade: Confresa MT

Anunciante: Delcio Pedro Kremer

Valor: 450,00

Notícias / Política

9 Ago 2018 - 14:24

Juiz manda Facebook retirar vídeos com “adesivaço” de Selma

Medida judicial também atinge os candidatos Rafael Yonekubo e Rafael Ranalli

Mídia News

Publicidade

O juiz Jackson Francisco Coleta Coutinho, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), determinou que o Facebook exclua, no prazo de 48 horas, dois vídeos publicados na página “Direita Mato Grosso” sobre o evento “1º Pedágio Pró-Bolsonaro em Cuiabá”, realizado em um posto de combustível na Avenida Fernando Corrêa da Costa.
 
A decisão, publicada nesta quinta-feira (9), atinge a candidata ao Senado, juíza aposentada Selma Arruda (PSL), o candidato a deputado estadual Rafael Yonekubo (PSL) e o postulante a deputado federal Rafael Ranalli (PROS), por prática de propaganda eleitoral antecipada.
 
De acordo com representação do Ministério Público Eleitoral (MPE), durante o evento, foram distribuídos adesivos com o nome da pré-candidata oferecidos pelos participantes do evento e colados em veículos apoiadores da pré-campanha.
 
Segundo o MP Eleitoral, cidadãos que passavam pelo local também receberam os adesivos, assim como um discurso de apoio à pré-candidatura.
 
O Ministério Público Eleitoral ainda frisou na representação que, em publicação de vídeos no YouTube e também no Facebook, Rafael Ranalli aparece distribuindo adesivos com o nome "Juíza Selma". Segundo o pedido, os fatos foram noticiados na mídia regional e colocam como organizador do evento Rafael Yonekubo.
 
Propaganda eleitoral 
 
Ao analisar a representação, o juiz entendeu que não se constata elementos capazes de configurar a existência de propaganda eleitoral antecipada no evento que contou com “adesivaço”.
 
“Notadamente porque não houve pedido explícito de votos no conteúdo divulgado nos adesivos, mas somente divulgação de nome e símbolo do pretenso candidato associados às cores do seu partido, informações essas que estão albergadas pelas liberdades de expressão e ostentam uma posição preferencial (preferred position) dentro do arquétipo constitucional das liberdades”, disse.
 
Por outro lado, porém, o magistrado afirmou que ficou convencido de que os vídeos publicados no Facebook possuem indícios suficientes para a caracterização de propaganda eleitoral antecipada a justificar adoção de medidas proibitivas.
 
“Ante ao exposto, defiro parcialmente o pedido liminar e no estrito exercício do poder de policia (§ 1º, art. 1 da, Resolução TSE 23.551/2017) e vislumbrando indícios de propaganda eleitoral extemporânea, para determinar a exclusão apenas do material acessível: https://www.facebook.com/direitamt/videos. Intime-se o Facebook Serviço Online do Brasil Ltda para que exclua os vídeos, no prazo de 48 horas, sob pena de multa de R$ 1.000,00 (hum mil reais) para cada dia de descumprimento desta decisão, nos termos do art. 297 c/c o art. 536, § 1º, ambos do CPC, imputo ao Representado”, decidiu.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet