Agência da Notícia

Portal Mato Grosso de noticias

Agência da Notícia, Segunda-feira 20 de Agosto de 2018

1 0
:
2 8
:
5 7

Últimas Noticias

Torpedos

Trânsito de Confresa

Algum vereador poderia fazer um projeto de Lei para coibir a exposição de mercadorias e multar os...

Resposta ao CIDADÃO

Caro CIDADÃO você quer uma AMBULÂNCIA exclusivamente para atender seus caprichos? cria vergonha...

Vale do Araguaia

ENTÃO TÁ CHEGADO MAS UMA ELEIÇÃO MAS QUE CHANCE DEMOS PARA O NOSSO ARAGUAIA? CANTIDADO Á...

Enquete

Na sua opinião qual a maior necessidade do Araguaia?

Classificados

Casa para alugar.

Cidade: Confresa-MT

Anunciante: Horácio Calaça

Valor: 500,00

terra

Cidade: vila rica

Anunciante: idete

Valor: acobina

CASA

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A COMBINAR

Newsletter

Notícias / Polícia

9 Ago 2018 - 14:25

Polícia diz que loja de informática de VG lavava dinheiro de facção

Grupo teria movimentado mais de R$ 50 milhões; joias, carros, casas e até fazenda foram apreendidos

Jad Laranjeira | Mídia News

A Polícia Civil descobriu, durante as investigações da Operação "Red Money", que uma pequena loja de informática, no Bairro Jardim Glória 1, em Várzea Grande, era a responsável pela lavagem da maior parte do dinheiro movimentado pela facção Comando Vermelho em Mato Grosso.
 
A deflagração da ação aconteceu na manhã desta quarta-feira (8) e foram cumpridas mais de 230 ordens judiciais, sendo 94 mandados de prisão preventiva, 59 buscas e apreensão, 80 ordens judiciais de bloqueios de contas correntes, além de sequestro de bens (veículos, joias, imóveis) e valores.
 
Segundo a Polícia, a empresa de informática foi constituída em fevereiro de 2017 e estava no nome de Jonas Souza Gonçalves Júnior, conhecido como “Batman”, uma das principais lideranças da organização.
 
De lá pra cá, foi identificado que os criminosos movimentaram cerca de R$ 50 milhões por meio de 44 contas bancárias, entre entradas e saídas.
 
Jonas já estava preso, condenado por assalto a agências bancárias. Ele era responsável pelo departamento financeiro da organização.
 
Ele realizava a maior parte da movimentação do dinheiro por meio de sua esposa - presa na operação -, que também fazia parte do esquema, segundo  a Polícia Civil.
 
A facção arrecadava, por mês, cerca de R$ 170 mil - mais de R$ 1,2 milhão por ano - com as mensalidades pagas pelos membros, além de outras fontes de sustentabilidade da organização criminosa.
 
Segundo o delegado Luiz Henrique Oliveira, da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), em apenas quatro meses, a empresa movimentou cerca de R$ 800 mil. No período de um ano e seis meses, houve a circulação de algo em torno de R$ 5 milhões.
 
Apreensões
 
Além das prisões, foram apreendidos mais de 60 veículos - que juntos somam aproximadamente R$ 1,7 milhão – além de joias e dinheiro.
 
A fazenda apreendida fica localizada em Salto do Céu. Além disso, foi feita a interdição de duas empresas de informática, localizadas em Várzea Grande, que eram usadas para a realização de lavagem de dinheiro.
 

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet