Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 20 de Outubro de 2018

2 2
:
4 2
:
1 2

Últimas Noticias

Torpedos

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Reposta ao Cidadão Portoalegrese

Não sei quem é vc. quanto ao fato narrado, é fato e nem todos sabem, por isso expus, mais muitos...

Classificados

Stradinha

Cidade: Confresa

Anunciante: Ronaldo

Valor: 19.000, 00

S10 LS 2.4 cd c/ prestações

Cidade: Peixoto de Azevedo

Anunciante: Eduardo

Valor: 3500,00

Lote urbano

Cidade: Confresa - MT

Anunciante: Florinda Abadia de Souza

Valor: A combinar

Newsletter

Notícias / Curiosidade:

9 Ago 2018 - 14:43

7 casos estranhos de corpos encontrados em sacos

Fatos Desconhecidos

Publicidade

No início do século XX era comum se achar sacos com cadáveres inteiros ou torsos. Isso a gente pode ver pesquisando nos jornais americanos e australianos que contam como centenas de corpos foram descartados.

Os sacos mais utilizados para esse descarte eram os sacos de lixo chamados de saco de aniagem. Outros sacos de tamanhos diferentes eram utilizados, mas davam um trabalho maior para os assassinos porque eles tinham que cortar o corpo para encaixá-lo em sacos diferentes e poucos queriam esse tipo de trabalho. A maioria dos casos das sacolas nunca foi resolvido. Vários casos, de somente torsos encontrados, também nunca tiveram soluções pela falta de partes para identificar os corpos.

1 - Boiando

A regra número um para se livrar de um corpo é colocar peso nele quando for jogá-lo em um rio. Mas parece que alguns assassinos faltaram a aula em que isso foi ensinado. James Moore, do Texas, foi um deles. Em 1898 ele ficou com ciúmes da sua esposa e, enquanto ela dormia, bateu com um martelo no seu crânio e depois a esfaqueou. Com o corpo da esposa no saco, Moore a levou para o rio Trinity e a jogou. Claramente ele esqueceu de colocar peso para que o saco afundasse e logo ela foi encontrada flutuando no rio. Moore foi preso e confessou seu crime.

2 - Quatro sacos suspeitos

Em 1902, um jovem estava indo para o trabalho quando viu dois sacos estranhos no fundo do Colégio Central de Médicos e Cirurgiões. Ele continuou caminhando e viu outro saco no formato de uma pessoa colocado em cima de uma caixa de produtos secos.

Ele ligou para a polícia que, quando abriu o saco, encontrou um corpo. Os policiais abriram a caixa de produtos que ele estava em cima e acharam mais outro corpo. Atrás da escola, onde o jovem tinha visto os sacos suspeitos eram mais dois corpos. Os corpos pertenciam a pessoas recentemente enterradas e iriam ser usados pelos estudantes para dissecação.

3 - Meio preso

 

Existiam casos em que o assassino dobrava os corpos para ajustá-los nos sacos ou os cortava. Mas em 1939, na barragem de Wycheproof Shire, na Austrália, um corpo foi encontrado flutuando. O estranho era que o corpo estava dentro de um saco, mas ele parava na cintura da vítima. A vítima tinha ferimentos na cabeça, o que sugeria que ela tinha sido assassinada ao invés de ter cometido suicídio.

4 - Passado do tempo

Em 1910, em algum lugar fora de Montana uma pessoa estava pescando e encontrou um saco com ossos ao longo da margem do rio. Ele chamou a polícia para investigar. Quando a polícia chegou, viu o saco com os ossos saindo de dentro mas disseram que o conteúdo já estava "morto demais" para ser reconhecido. Os ossos poderiam ser de uma pessoa, cachorro, bezerro mas ninguém se importou em verificar.

5 - Descoberto pela curiosidade

Em 1926, milhares de pessoas atravessaram a ponte em Wagga Wagga no sul da Austrália. Numa dessas passagens, os pedestres viram um objeto flutuando, mas ninguém ficou curioso o suficiente para ver o que era aquela bolsa em meio a água lamacenta. Até que um dia um homem notou que o saco estava flutuando mais alto que antes. Ele se aproximou para olhar e viu uma orelha saindo do saco. A polícia foi chamada e quando retiraram o saco, o corpo de um homem foi encontrado. O curioso foi que ninguém, além do homem que informou a polícia, teve a menor vontade de ver o que tinha naquela sacola.

6 - Faltando partes

Muitos dos corpos despejados nos rios, antigamente, eram apenas torsos. Sem a nossa tecnologia do DNA era quase impossível saber a quem pertencia aquele pedaço de corpo. Só era possível identificar se a pessoa tivesse alguma tatuagem ou uma marca única.

Em 1914, um saco foi retirado do rio Mohawk, em Nova York. Nele foi encontrado o torso de uma mulher com a cabeça, pernas e braços retirados. A polícia investigou mas sem sucesso para identificá-la. Outro torso foi achado, em 1921, em Rogers, no Texas. Dois pescadores tiraram o saco flutuante do rio e se depararam com o torso de uma mulher dentro dele.

7 - Braços para fora

Em 1910, uma descoberta não muito agradável foi feita em Bonner, Montana. O corpo de um homem foi encontrado dentro de um banheiro externo. Ele estava dentro de um saco de pólvora costurado, mas o curioso é que os braços do homem estavam para fora das costuras do saco. O que, claramente, levou a polícia a tratar o caso como um assassinato e não um suicídio, o que era comum no início de 1900.


Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet