Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 16 de Janeiro de 2019

2 3
:
0 1
:
0 0

Últimas Noticias

Torpedos

Cidadão revoltado

Já passou da hora da prefeitura de Confresa se pronunciar quanto à ÁGUAS DE CONFRESA pelo...

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Campanha Publicitária

Classificados

Lote

Cidade: Confresa

Anunciante: Leandro

Valor: 18.000,000

saveiro g2

Cidade: confresa

Anunciante: Lucas

Valor: 6.000

Kitnet

Cidade: Confresa mt

Anunciante: Verônica Nascimento

Valor: A combinar

Notícias / Eleições 2018

10 Out 2018 - 11:05

Eleito quer redução de verba de R$ 65 mil e prestação de contas

"Primeira proposta é a redução de todas as verbas. Não dá mais para aceitar essa farra com o dinheiro"

Midianews

Publicidade

Publicidade

Coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL) em Mato Grosso, o deputado estadual eleito Ulysses Moraes (DC) afirmou que assim que assumir, em fevereiro de 2019, irá propor projetos como a redução da verba parlamentar e maior prestação de contas.

 

Atualmente, cada deputado tem direito a R$ 65 mil de verba para cobrir despesas do exercício da função. Além disso, recebem um salário de R$ 25,3 mil.

 

“A primeira proposta é a redução de todas as verbas parlamentares. Quando chegar lá, vou ver como a gente faz. Não dá mais para aceitar essa farra com o dinheiro público que o pessoal vem fazendo”, disse.

 

“Outra coisa que temos que obrigar de imediato é prestação de contas. Chega de deputado não prestar contas. Chega. Isso tem que acabar. E vai ser o meu primeiro projeto lá dentro. Isso tem que acabar”, afirmou.

 

A primeira proposta é a redução de todas as verbas. Não dá mais para aceitar essa farra com o dinheiro público que o pessoal vem fazendo
Em agosto deste ano, os parlamentares foram alvo da Operação Déjà Vu. Segundo o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), “notas frias” eram utilizadas para simular a compra de materiais de papelaria e informática e assim justificar os gastos dos parlamentares com a verba indenizatória.

 

O MPE aponta para um desvio de mais de meio milhão de reais. 

 

“O que faremos agora é um trabalho de austeridade e mostrar, efetivamente, que a gente veio para mudar. Não é um discurso de renovação por renovação. É chegar lá e cortar verba, cortar na carne, mostrando para o povo, efetivamente, que tem que ter dinheiro para outras coisas”, disse.

 

“Chega de deputado ficar ganhando aquele monte. Temos que chegar lá e mostrar que é possível fazer muito mais com menos. Foi isso que preguei durante toda a minha campanha e é o que vou fazer lá. Mostrar que é possível ser honesto lá dentro. Fazer uma política de exemplo. É isso que precisamos mostrar”, afirmou.

Notícias Relacionadas

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet