Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 15 de Dezembro de 2018

1 6
:
0 5
:
2 3

Últimas Noticias

Torpedos

Cidadão revoltado

Já passou da hora da prefeitura de Confresa se pronunciar quanto à ÁGUAS DE CONFRESA pelo...

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Enquete

Na sua opinião, o novo presidente eleito Jair Bolsonaro deve manter o novo ou o antigo traçado da BR-158?

Campanha Publicitária

Classificados

CASA

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A COMBINAR

casa - setor Santa Luzia

Cidade: Confresa

Anunciante: Ana Paula

Valor: a combinar

LOTE DE ESQUINA COM 2 CASAS

Cidade: Confresa MT

Anunciante: Delcio Pedro Kremer

Valor: 450,00

Notícias / Política

11 Out 2018 - 10:23

Aliado de Mendes, deputado defende a manutenção do Fethab 2

Deputado irá conversar com governador eleito; setor não quer manter pagamento de fundo

Mídia News

Publicidade

Ex-líder do governador Pedro Taques (PSDB) e aliado do eleito Mauro Mendes (DEM), o deputado estadual Dilmar Dal’Bosco (DEM) defendeu que o Executivo mantenha a Lei 10.480, que criou o Novo Fundo Estadual de Transporte e Habitação, o chamado Fethab 2.
 
Criada em dezembro de 2016, a contribuição adicional do setor produtivo foi utilizada para ações na infraestrutura e chegou a R$ 900 milhões nos dois anos de vigência (2017 e 2018). 
 
“O setor tem falado que não tem interesse da manter o Fethab 2. Mas temos que fazer uma análise, porque tem obras estruturantes no Estado que precisam ser investidas, não tem outro caminho. A contribuição é para eles mesmos, porque é uma benfeitoria ao setor”, disse em conversa com a imprensa, nesta quarta-feira (10).
 
 
Acredito, eu, que deveria manter. Mas não é uma decisão minha. Vale uma grande reflexão: quanto o setor produtivo paga para o Estado?
“Eu acho que tem que ir para uma discussão. Acredito, eu, que deveria manter. Mas não é uma decisão minha. Vale uma grande reflexão: quanto o setor produtivo paga para o Estado? Hoje um micro e pequeno empreendedor do Simples Nacional, ou um comerciante, paga um diferencial de carga tributária de até 10%. O setor produtivo paga esse percentual? Então, tem que haver um equilíbrio”, afirmou.
 
O governador Pedro Taques confirmou ao MidiaNews que não deverá renovar o fundo. A não-renovação deverá reduzir em R$ 450 milhões a arrecadação de tributos para o ano que vem, já sob a gestão Mendes.
 
Dilmar disse que levará a questão ao próximo gestor para, então, avaliarem o melhor caminho.
 
Ele sugeriu uma tentativa de convencimento do setor produtivo. Segundo ele, sem o recurso, o Executivo levará mais tempo para concluir obras de infraestrutura.
 
“O presidente da Aprosoja [Antônio Galvan] me ligou e pediu para agendar uma reunião com o Mauro Mendes. O setor tem conversado no interior e eles não querem mais contribuir com o Fethab 2. Então, devemos chamar o setor, e conversar para saber o que eles pretendem.  Se continuar com o Fethab 2, pode, por exemplo, uma parte ir para rodovia e outra para ferrovia”, disse.
 
“O agricultor tem que saber que sem esse investimento, aumenta o custo da produção. Quando você diminui as estradas não pavimentadas, diminui o custo do frete. Isso tudo tem que ser levado em conta. Tem que colocar em uma balança e analisar. Porque se deixar o Estado como está hoje, fazer 20 mil km de rodovias estaduais que precisam ser feitas, quantos anos irão gastar? 10, 20 ou 50 anos?”, questionou.
 
O Fundo
 
Criado em dezembro de 2016, o dinheiro da contribuição adicional do setor produtivo deveria ser todo utilizado para ações na infraestrutura. 
 
A medida foi necessária diante da crise econômica que vivia o País e que afetou as contas do Estado e também diante da necessidade de aumentar os investimentos em ações básicas. 
 
Entidades do setor, no entanto, reclamaram de desvio de finalidade. A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e mais 38 sindicatos rurais do Estado chegaram a mover uma ação civil pública para suspender a cobrança. As entidades alegaram estar havendo desvio de finalidade do dinheiro.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet