Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 20 de Janeiro de 2019

0 9
:
1 9
:
0 3

Últimas Noticias

Torpedos

Cidadão revoltado

Já passou da hora da prefeitura de Confresa se pronunciar quanto à ÁGUAS DE CONFRESA pelo...

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Classificados

Lote

Cidade: Confresa

Anunciante: Leandro

Valor: 18.000,000

saveiro g2

Cidade: confresa

Anunciante: Lucas

Valor: 6.000

Kitnet

Cidade: Confresa mt

Anunciante: Verônica Nascimento

Valor: A combinar

Notícias / Política

9 Jan 2019 - 11:47

“Mauro não escalonou porque quis; precisamos ter paciência”

Presidente da Assembleia diz que situação pode piorar se não houver cooperação de servidores

MidiaNews

Publicidade

Publicidade

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho, pediu paciência aos servidores públicos, que tiveram o salário do mês de dezembro escalonado e o 13º parcelado.
 
Em entrevista à rádio Capital FM, na terça-feira (08), o parlamentar disse que a decisão do governador Mauro Mendes (DEM) se deu por dificuldades financeiras e não por vontade própria.
 
“O Mauro recebeu o Estado nessa situação e precisamos ter paciência. Você acha que ele ia querer entrar escalonando os salários? Jamais! Ele foi prefeito de Cuiabá e sempre pagava no mês. Ele pagava tudo em dia. Essa é a característica dele”, disse.
 
 
O Mauro não escalonou o salário porque quis. É porque não tinha dinheiro para pagar e ele não tem alternativa
“O Mauro não escalonou o salário porque quis. É porque não tinha dinheiro para pagar e ele não tem alternativa. Fale qual a alternativa? Os funcionários têm?”, questionou.
 
Para o deputado, caso Mendes não tome medidas já nos primeiros meses de gestão, poderá ocorrer atrasos maiores de salário.
 
“O Mauro pegou o Estado com uma arrecadação insuficiente para cobrir as despesas obrigatórias. Não é fazer investimento, são as despesas obrigatórias. Hoje, podemos estar passando por um escalonamento, mas daqui a pouco podem ser atrasos mensais, ficar um ou dois meses sem pagar. É isso que não pode acontecer”, afirmou.
 
Falta de gestão
 
Botelho acredita que o pior problema foi a falta de gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB).
 
Disse que, apesar de Mato Grosso ter sido o segundo Estado do País que mais elevou sua receita nos últimos quatro anos, as despesas com salário entre outras coisas aumentou ainda mais.
 
“Isso já era esperado. A gente já sabia que ia acontecer. Eu acho que o governo passado foi até um herói. Ele conseguiu ir levando. Do jeito que levava, ia levando, enrolando, essa bola de neve. Eu achava que isso ia explodir até antes. Eu não via condições de chegar até o final do ano”, disse.
 
“Mas hoje, não tem mais como empurrar. Não tem como pagar e foi obrigado a fazer o escalonamento. Agora, precisamos encontrar soluções, senão daqui a pouco nem o escalonamento vai dar para pagar”, completou.
 
Escalonamento
 
Na última sexta-feira (04), o governador Mauro Mendes (DEM) anunciou o escalonamento dos salários dos servidores e o parcelamento do 13º.
 
O pagamento dos salários de dezembro de 2018 de todos os servidores inativos, e ativos que recebem até R$ 4.000,00 e seus pensionistas acontece no dia 10 de janeiro; servidores que recebem até R$ 6.000,00 receberão dia 24 de janeiro; e os demais terão os salários pagos no dia 30.
 
Já os valores do décimo terceiro salário, remanescentes de 2018, serão pagos em quatro parcelas, previstas para os dias 31 de janeiro, 28 de fevereiro, 31 de março, e 30 de abril de 2019. Os décimos do ano de 2019 serão pagos no mês de dezembro aos servidores, não mais no mês de aniversário.

Notícias Relacionadas

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet