Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Quarta-feira 26 de Junho de 2019

1 1
:
0 2
:
1 3

Últimas Noticias

Torpedos

CORPO DE BOMBEIRO

GOSTARIA de uma materia, explicando por o corpo de bombeiro proibiou a festa juninas na escolas

Alternativa

Parabéns ao sindicato rural e prefeitura municipal de vila rica MT 33 anos de aniversario

Camilão iluminado!

Parabenizo a administração municipal que atendeu as diversas solicitações dos munícipes e iluminou...

Classificados

SANDERO STEPWAY 12/12

Cidade: CONFRESA

Anunciante: RAFAEL GABOARDI BECKER

Valor: A COMBINAR

casa para vender

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A combinar

Ford Focus 2007

Cidade: Confresa

Anunciante: Wilsrley

Valor: 9.000,00

Notícias / Política

10 Jan 2019 - 08:56

Ex-prefeito de Canarana que ‘ostentava’ em hotéis de luxo com diárias é condenado pelo TJ

Walter Farias foi condenado a devolver mais de R$ 7 mil aos cofres público e teve os direitos políticos suspensos por 8 anos.

Redação

Agência da Notícia | Reprodução

Ex-prefeito de Canarana, Walter Lopes Farias, foi condenado pela justiça (Crédito: Agência da Notícia | Reprodução)

Ex-prefeito de Canarana, Walter Lopes Farias, foi condenado pela justiça

Publicidade

O ex-prefeito de Canarana, Walter Lopes Farias, foi condenado a devolver R$ 7,9 mil aos cofres públicos, teve os direitos políticos suspensos por 8 anos, além de não poder contratar ou receber incentivos fiscais e pagar multa no valor equivalente ao valor do aumento patrimonial obtido ilicitamente após receber diárias se supostas viagens em duplicidade.

Na decisão do Tribunal de Justiça, há detalhamento das viagens que foram feitas pelo prefeito e os comprovantes de gastos. Por exemplo, o ex-gestor solicitou diárias para Brasília e apresentou cupom fiscal de estabelecimento do Maranhão; comprovante de pagamento da Guia de Recolhimento da União (GRU); despesas com combustível realizada nas cidades de Goiânia e Barra do Garças; e nota fiscal de táxis em Cuiabá.

A defesa do ex-prefeito argumentou que ele agiu de boa-fé, “acreditando estar acobertado pela lei, não possuindo o necessário entendimento jurídico acerca da distinção entre adiantamentos e verbas indenizatórias e não foi alertado em instante algum sobre eventuais equívocos nas prestações de contas que foram regularmente prestadas”.

A argumentação foi rejeitada pela Justiça.

De acordo com a relatora do caso, desembargadora Helena Maria Bezerra Ramos, o ex-prefeito recebia o pagamento em duplicidade das viagens realizadas e não prestava contas efetivamente.

Segundo o entendimento da magistrada, embora tenham naturezas diferentes, o pagamento em duplicidade do adiantamento de despesas e das diárias decorrentes do mesmo fato gera prejuízo ao erário e enriquecimento ilícito por parte dos agentes públicos.

“Além disso, não restou evidenciado que as viagens foram realmente para tratar de interesses do município, já que não tem nenhuma comprovação nesse sentido a fim de confirmar o informado nos relatórios de viagens”, pontuou Helena Maria.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet