Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 20 de Janeiro de 2019

0 8
:
5 7
:
2 9

Últimas Noticias

Torpedos

Cidadão revoltado

Já passou da hora da prefeitura de Confresa se pronunciar quanto à ÁGUAS DE CONFRESA pelo...

lucas do Pan

Ola gente vamos ver se o novo governo do MT vai construir o nosso hospital aqui no pan. OU É SÓ...

ONDA DE FURTOS

Pessoal já está mais que na hora de pegar esses meliantes que andam roubando em nossa cidade, já...

Classificados

Lote

Cidade: Confresa

Anunciante: Leandro

Valor: 18.000,000

saveiro g2

Cidade: confresa

Anunciante: Lucas

Valor: 6.000

Kitnet

Cidade: Confresa mt

Anunciante: Verônica Nascimento

Valor: A combinar

Notícias / Política

10 Jan 2019 - 10:12

Folha dos servidores cresceu 79% em 4 anos; arrecadação, 45%

Aumentos aprovados por Silval Barbosa gerou caos financeiros e dificuldades para investimentos

MidiaNews

Publicidade

Publicidade

quatro anos, o custo da folha salarial dos servidores públicos de Mato Grosso cresceu 79%. Já a arrecadação, neste mesmo período, cresceu 45%. 
 
Atualmente, a folha consome 81% da receita corrente líquida do Estado. Essa situação foi agravada pelas leis de cargos e salários, aprovadas pelo ex-governador Silval Barbosa, no final de sua gestão.
 
A "caixa de bondade", que estourou na gestão seguinte, comprometeu o custeio da máquina pública, inviabilizando investimentos e a prestação de serviços básicos à população.
 
Se o custo da folha continuar a crescer na mesma proporção dos últimos anos, segundo fontes ouvidas pela reportagem, em pouco tempo o Estado terá recursos apenas para pagar salários.
 
Para se ter uma ideia da gravidade da questão, em 2014 o Estado teve uma receita líquida de pouco mais de R$ 11,3 bilhões. Desse valor, R$ 8,1bilhões foram utilizados para o pagamento de salários dos servidores. 
 
Em 2018, apenas quatro anos depois, o valor gasto com a folha subiu para R$ 12,9 bilhões - e a arrecadação líquida foi de R$ 16 bilhões.
 
Ainda no ano passado, para o custeio do Legislativo, Judiciário, Tribunal de Contas, Ministério Público e Defensoria Pública, o governo repassou ainda a quantia de R$ 600 milhões. 
 
O reflexo disso é possível perceber em todos os setores do Estado, inclusive no pagamento do salário dos próprios servidores. Com um crescimento de receita inferior ao crescimento da folha de pagamento, já falta dinheiro para saldar os salários e também para quitar fornecedores e prestadores de serviços.
 
Atualmente o Estado tem a quantia de R$ 3,9 bilhões em restos a pagar, nesse rol também se encontra o 13º salário do servidor público, que não foi quitado em dezembro de 2018. 
 
Entre os anos de 2014 e 2018 a inflação acumulada foi de R$ 30,91%.

Notícias Relacionadas

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet