Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 21 de Abril de 2019

0 9
:
1 1
:
5 9

Últimas Noticias

Torpedos

Baiano

O que Dr Eugênio em três meses de mandato já fez o que o baiano filho em 4 ano fez

praça do camilão

VENHO PEDIR AOS ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA PRAÇA DO CAMILÃO. O DESCASO QUE ELA SE ENCONTRA. O ÚNICO...

DESCASO PUBLICO

Caros amigos eleitores do baixo e norte Araguaia, enquanto não houver um conjunto de prefeitos para...

Enquete

Na sua opinião, quais são as prioridades para o Município de Confresa MT .

Campanha Publicitária

Classificados

Vendo ágio do lote com casa apenas levantada as paredes para assumir parcelas de 340.

Cidade: Confresa

Anunciante: Jaime Borges

Valor: 15.000.00

Rodistar agressiva 6800wats

Cidade: confresa MT

Anunciante: Marcos dione de souza

Valor: 500,00

Procura-se casa para alugar

Cidade: Confresa

Anunciante: Morgana

Valor: 600,00

Notícias / Geral

11 Fev 2019 - 15:30

Conselho indigenista diz que deputado eleito organiza invasão de fazendeiros a terra indígena Marãiwatsédé

Na internet, o deputado do PSL chama a retirada dos invasores de "crime contra quem produzia e gerava renda". Em nota, o MPF promete ações enérgicas em caso de novas invasões. Deputado nega intenção de invadir área.

G1 MT

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)

Publicidade

Publicidade

Índios da etnia Xavante que retornaram à Terra Indígena Marãiwatsédé, na região do Xingu, em Mato Grosso, em 2013, após reintegração de posse cumprida com o apoio da Polícia Federal, podem ser alvos de uma nova invasão de fazendeiros depois de conseguirem a posse definitiva do território, segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

O ataque, de acordo com a instituição, seria organizado pelo deputado federal eleito Nelson Barbudo, do PSL. Ao G1, o deputado negou que tenha a intenção de invadir a terra.

“Tenho nojo de invasão de terra e tenho nojo de proprietários que invadam terras indígenas. Sou a favor de que haja um processo legal em todas as ações que envolvam esses assuntos”, declarou.

A TI de mais de 165,2 mil hectares fica entre os municípios de Alto Boa Vista, Bom Jesus do Araguaia e São Félix do Araguaia. A área foi alvo de um processo de desintrusão há cinco anos após uma disputa judicial entre produtores rurais e a Fundação Nacional do Índio (Funai), que representa os índios.

À época, os posseiros foram obrigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a deixarem a área, devolvida posteriormente aos índios.

Recentemente, entretanto, Nelson Barbudo teria declarado apoio a uma nova invasão à TI “para devolvê-la” aos posseiros e fazendeiros expulsos do território indígena, segundo o Cimi.

Em um vídeo publicado na internet, o deputado eleito classifica como crime a retirada dos agricultores. “Isso foi um crime que cometeram contra aqueles que produziam e geravam renda”, declara.

Em nota, o Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF-MT), principal articulador da desocupação, afirmou que qualquer ataque ou tentativa de invasão “receberá respostas enérgicas e eficazes”.

A história de ocupação irregular e desintrusão é contada no documentário 'Marãiwatsédé: o resgate da terra'. O longa ouve índios que sobreviveram ao processo e relembram o que viveram.

O filme registra depoimentos emocionantes de quem presenciou as mortes, a violência e o desrespeito à cultura e às tradições do povo Xavante.

Processo de desintrução teve confronto entre produtores e polícia — Foto: Reprodução/TVCA Processo de desintrução teve confronto entre produtores e polícia — Foto: Reprodução/TVCA
Processo de desintrução teve confronto entre produtores e polícia — Foto: Reprodução/TVCA

Ocupação e remoção

De acordo com a Funai, o povo Xavante ocupa a área Marãiwatsédé desde a década de 1960.

A remoção forçada deles ocorreu em 1966 após a associação entre órgãos do governo federal e fazendeiros durante a ditadura militar. Nessa época, a Agropecuária Suiá-Missú instalou-se na região.

No final da década, os índios foram transferidos para a Terra Indígena São Marcos, na região sul de Mato Grosso, e lá permaneceram por cerca de 40 anos.

À época, 1/3 da população morreu como resultado da remoção.

O processo de retirada dos posseiros foi marcada por confrontos entre policiais e não-índios.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

Campanha publicitária
 
Sitevip Internet