Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Quinta-feira 18 de Julho de 2019

1 5
:
1 1
:
0 0

Últimas Noticias

Enquete

Você é a favor ou contra a greve dos profissionais da educação do estado de Mato Grosso? Dê sua opinião.

Internauta AN

publicidade

Notícias / Esporte

21 Fev 2019 - 08:25

Análise: virada em Itaquera abre leque de opções ao ataque do Corinthians. Mas a defesa...

Poder de reação e mudanças táticas durante duelo contra o Avenida são pontos positivos; Manoel e Henrique, de novo, vão abaixo da média

GloboEsporte

Publicidade

A vitória por 4 a 2 sobre o modesto Avenida, décimo colocado entre 12 times do Campeonato Gaúcho, foi o maior desafio do Corinthians na temporada – maior até do que Palmeiras ou São Paulo, dois rivais locais que o Timão venceu em clássicos pelo Paulistão.

Afinal, em vez de jogar como gosta, sem a bola e investindo em transições rápidas, contra-ataques e triangulações, o Corinthians saiu perdendo por 2 a 0 e teve de deixar a zona de conforto. Fábio Carille se viu na obrigação de agir, fez mudanças (de peças e táticas) durante o jogo e descobriu boas opções para o ataque, que fez quatro gols.

Pedrinho jogou bem, Vagner Love foi o motor da reação corintiana, Sornoza deu mais uma assistência, e Gustagol, claro, marcou mais um.

Mas, se o duelo da segunda fase da Copa do Brasil apresentou alternativas ofensivas, reforçou que a defesa precisa de ajustes – e de trocas, por que não? Manoel e Henrique, juntos, não têm funcionado, e até Cássio falhou no primeiro gol do Avenida.

O adversário da terceira fase do torneio nacional sairá do duelo entre Foz do Iguaçu e Ceará, quarta-feira que vem. Enquanto isso, o foco volta ao Paulistão: tem jogo contra o Botafogo, em Ribeirão Preto, às 19h (de Brasília) do domingo.


Poder de reação
O Corinthians teve os piores 10 minutos do ano ao sofrer, justamente, dois gols do surpreendente Avenida em jogadas rápidas diante de uma zaga perdida – o segundo gol, de Tito, mostra Manoel e Henrique perdidos no lance e sem chance de anular a jogada.

No entanto, depois disso, o time reagiu aos poucos. Principalmente a partir da entrada de Vagner Love, na vaga de Ralf, com apenas 27 minutos de jogo. Movimentando-se muito, o camisa 9 seria a chave da virada corintiana em Itaquera.

As variações propostas por Carille também chamaram a atenção:

Logo após a entrada de Love, o 4-2-3-1 teve Sornoza ao lado de Urso, e o atacante por dentro, jogando atrás de Gustagol, com Pedrinho e Clayson abertos;
No segundo tempo, Love passou para o lado direito, com Pedrinho por dentro, armando e ficando mais perto do gol – teve uma boa finalização de fora da área;
No fim, com o jogo empatado em 2 a 2, Boselli entrou e deixou o Timão com três homens de área. Love, de novo, buscou jogo no meio-campo enquanto o argentino e Gustagol jogavam adiantados.

O volume de jogo chamou a atenção, ressalte-se, claro, o nível técnico do adversário e a desvantagem no placar que fez o Corinthians pressionar o tempo inteiro: foram 30 finalizações, 71% de posse de bola e 459 passes certos trocados. O Avenida finalizou seis vezes e só trocou 116 passes.


Aos poucos, o Corinthians ganha forma. Notícia importante às vésperas de outro jogo decisivo, contra o Racing, quarta que vem, na Argentina, pela Sul-Americana. Se no ataque as variações e mudanças de peças funcionaram, por que não tentar o mesmo na "cozinha"? Com uma defesa forte, o Timão passa a ser perigoso de verdade. Como se acostumou a ser na última década.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet