Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Segunda-feira 27 de Maio de 2019

0 1
:
0 1
:
5 2

Últimas Noticias

Torpedos

Alternativa

Parabéns ao sindicato rural e prefeitura municipal de vila rica MT 33 anos de aniversario

Camilão iluminado!

Parabenizo a administração municipal que atendeu as diversas solicitações dos munícipes e iluminou...

Camilão às escuras

A situação da praça Camilão é triste. Um dos pouquíssimos espaços públicos para lazer e talvez o...

Enquete

Na sua opinião a reforma da previdência 2019 deve ser aprovada?

Campanha Publicitária

Classificados

SANDERO STEPWAY 12/12

Cidade: CONFRESA

Anunciante: RAFAEL GABOARDI BECKER

Valor: A COMBINAR

casa para vender

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A combinar

Ford Focus 2007

Cidade: Confresa

Anunciante: Wilsrley

Valor: 9.000,00

publicidade

Notícias / Geral

15 Mar 2019 - 09:31

Projeto contempla mostra de documentários, oficinas e debate sobre a região do Araguaia

As atividades integram o projeto Olhares do Araguaia, contemplado no Prêmio Territórios MT, da Secel.

Assessoria

Publicidade

Publicidade

Seis filmes documentários de curta e média duração sobre a Região do Médio Araguaia e do Xingu serão exibidos nos dias 19, 21 e 22 de março no cinema do Barra Center Shopping, em Barra do Garças (509 quilômetros a leste de Cuiabá). As sessões começam às 19h e podem ter duração de até duas horas. A entrada é gratuita.

As atividades integram o projeto Olhares do Araguaia, contemplado no Prêmio Territórios MT, da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), e realizado pelo Núcleo de Produção Digital (NPD) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Araguaia.

Na terça-feira (19.03), serão exibidos três filmes: "Veredas do Araguaia", "Xavante: memória cultura e resistência" e "Sonhei com este vale". Na quinta (21.03), serão apresentados mais três: "A terceira margem", "Catireiros do Araguaia" e "Para onde foram as andorinhas?". Na sexta (22.03), o público poderá conferir os dois últimos documentários: "Araguaia para sempre" e "Ser tão Araguaia". Não haverá exibição na quarta, dia 20.

Além de Barra do Garças, a mostra também passará por Araguaiana (563 quilômetros de Cuiabá) nos dias 27, 28 e 29 de março, sempre pela manhã, às 8h30, para atingir preferencialmente o público estudantil. A mostra em Araguaiana será realizada na Biblioteca Municipal Antídia Coutinho, onde funciona o cineclube vinculado ao NPD/UFMT.

A programação inclui a realização do Colóquio Olhares do Araguaia, no dia 3 de abril, às 19h, em Barra do Garças. A última ação do projeto Olhares do Araguaia será a realização, em maio, de quatro oficinas ligadas à produção de documentários em Barra do Garças e uma em Araguaiana. Os temas são: Fotografia e vídeo, Pesquisa e roteiro, Formação de ator para cinema e vídeo, Edição e pós-produção.

O projeto Olhares do Araguaia pretende resgatar, nas produções audiovisuais que apresenta, a história do Médio Araguaia mato-grossense, além de retratar as diversas perspectivas que compõem a identidade cultural dessa região: a ocupação do leste de Mato Grosso; a influência indígena no passado e na atualidade; a importância do meio ambiente como fonte de riqueza, costumes e sustentabilidade; o multiculturalismo e a diversidade étnica gerada pelos ciclos de migração ocorridos.

Segundo a coordenadora do projeto, jornalista e professora Carina Andrade Benedeti, a realização da mostra no cinema se justifica por razões técnicas e também pela importância simbólica de ocupar com a “nossa história e a nossa gente” esse espaço que normalmente dá visibilidade a grandes produções internacionais. "Nós precisamos ver questões locais nas telinhas e nas telonas para valorizar o que temos, refletir sobre o que podemos fazer para avançar. E reconhecer a importância do Araguaia na constituição da nossa identidade é o primeiro passo para lutar pela sua preservação".

Já para o coordenador do Núcleo de Produção Digital, o professor do curso de Jornalismo da UFMT/Araguaia Gilson Moraes da Costa “trata-se de um evento significativo neste momento de criminalização de diversas manifestações culturais no País. A mostra acaba sendo uma forma e um momento de resistência e de afirmação do lado social da cultura”.

O professor destaca também que, assim como ocorre com os demais projetos realizados diretamente ou em parcerias pelo NPD, o projeto é uma forma de possibilitar o acesso gratuito aos equipamentos públicos e ao que se produz sobre as populações que estão fora dos grandes centros do País.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet