Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Segunda-feira 24 de Junho de 2019

1 1
:
1 0
:
0 7

Últimas Noticias

Torpedos

CORPO DE BOMBEIRO

GOSTARIA de uma materia, explicando por o corpo de bombeiro proibiou a festa juninas na escolas

Alternativa

Parabéns ao sindicato rural e prefeitura municipal de vila rica MT 33 anos de aniversario

Camilão iluminado!

Parabenizo a administração municipal que atendeu as diversas solicitações dos munícipes e iluminou...

Classificados

SANDERO STEPWAY 12/12

Cidade: CONFRESA

Anunciante: RAFAEL GABOARDI BECKER

Valor: A COMBINAR

casa para vender

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A combinar

Ford Focus 2007

Cidade: Confresa

Anunciante: Wilsrley

Valor: 9.000,00

Notícias / Geral

26 Mar 2019 - 11:00

Justiça determina bloqueio de R$ 115 mil de ex-delegado acusado de se apropriar de máquina fotográfica em Cuiabá

A vítima tinha entregado o objeto ao delegado durante uma briga com o marido dela, que fazia o uso da câmera para registrar os conflitos do casal.

G1 MT

Reprodução

Ex-delegado Edgar Fróes (Crédito: Reprodução)

Ex-delegado Edgar Fróes

Publicidade

O ex-delegado Edgar Fróes teve R$ 115,5 mil bloqueados por determinação do juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara Especializada Ação Civil Pública e Ação Popular. A decisão é do dia 18 de março.

De acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), o ex-delegado, no ano de 2003, apreendeu uma câmera digital de uma consultora de telemarketing.

O G1 não conseguiu localizar a defesa do ex-delegado.

O valor já havia sido arbitrado em R$ 93 mil.

A vítima tinha entregado o objeto ao delegado durante uma briga com o marido dela, que fazia o uso da câmera para registrar os conflitos do casal. Porém, a consultora alega que o ex-delegado nunca devolveu o objeto e se recusava a entregá-lo.

Conforme a ação, o então delegado se aproveitou do estado emocional da vítima e não registrou oficialmente a entrega e apreensão da máquina, deixando de lavrar o auto de exibição e apreensão.

Para ficar com a câmera, avaliada em R$ 2,2 mil na época, o delegado teria feito um simples termo de declaração da vítima, com recibo assinado por ele.

A mulher teria procurado o delegado diversas vezes na Delegacia do Porto, local onde ele atuava, solicitando a devolução do bem, mas ele teria afirmado que entregaria a máquina no momento certo e que a mesma estaria bem guardada na delegacia.

Em janeiro de 2004, o marido da vítima protocolou reclamação junto à Delegacia do Porto, pedindo a devolução da máquina fotográfica, sem sucesso. Em fevereiro, a mulher formalizou o pedido no mesmo sentido, junto à Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Estado.

Ao ser interrogado, o delegado confessou ter apreendido a máquina sem providenciar ato de ofício a que estava obrigado a realizar.

Para o MPE o ex-delegado descumpriu a legislação, uma vez que não registrou a apreensão e demonstrou interesse em se apropriar do objeto. Naquela ocasião a câmera estava avaliada em R$ 2,2 mil. Um ano depois, a vítima procurou a Secretaria de Justiça e Segurança Pública e formalizou o pedido de devolução.

uplo homicídio
Em 2009, o ex-delegado foi condenado a 30 anos e 8 meses de prisão pelo assassinato de mãe e filho em 2004, em Cuiabá. Ele é tido como o mandante do crime. No dia 18 de março de 2004, Marluce Alves e seu filho Rodolfo Alves, de 24 anos, foram rendidos por um adolescente no bairro Shangri-lá.

Mãe e filho, além do jardineiro da casa, foram colocados de joelhos. Marluce e Rodolfo foram executados com tiros na cabeça. O jardineiro escapou ileso porque implorou para viver, dizendo que a esposa estava grávida e que queria viver para assistir ao nascimento do filho. Fróes cumpriu cinco anos da pena e atualmente estava em liberdade.

No dia 10 de maio o juiz Geraldo Fidelis Neto, da Segunda Vara Criminal de Cuiabá, determinou novamente o mandado de prisão do acusado e estabeleceu que o ex-delegado voltasse a cumprir a pena e regime fechado.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet