Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Terça-feira 10 de Dezembro de 2019

1 9
:
2 9
:
2 4

Últimas Noticias

Notícias / Educação

3 Abr 2019 - 09:17

Unemat é alvo de crítica após excluir obra de autora de MT

Livro de Lucinda Persona estava previsto em edital original, mas acabou retirado pela organização

Mídia News

Reprodução

O escritor Eduardo Mahon, que criticou a decisão da reitoria (Crédito: Reprodução)

O escritor Eduardo Mahon, que criticou a decisão da reitoria

Publicidade

A decisão da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), de excluir das obras exigidas para o vestibular 2019/2 a única autora mato-grossense, desagradou escritores e professores do Estado.

 

O edital complementar do vestibular 2019/2, publicado no último dia 25, retirou da lista o livro "Entre Uma Noite e Outra" da escritora Lucinda Persona.

 

Em uma postagem no Facebook, o advogado e escritor Eduardo Mahon lamentou a decisão e fez críticas ao reitor Rodrigo Bruno Zanin.

 

“O quão mais pobre ficou sua lista, Sr. Reitor. O quão menos mato-grossenses estamos ficando, meus amigos”, comentou Mahon.

Ele continua a postagem com mais críticas à decisão. “Vossa Magnificência não deve acompanhar os últimos 20 anos de intensa movimentação literária no seu próprio Estado. Não deve conhecer o núcleo Wlademir Dias-Pino da sua própria Unemat”, escreveu.

  

Nos comentários da postagem, várias pessoas, entre elas professores universitários e escritores, também criticaram a decisão.

“Agora vamos ver quantas questões de História e Geografia serão cobradas. Aposto que 1 ou 2 e talvez nenhuma. Triste, muito triste”, escreveu uma delas.

 

“É preciso ver se a decisão foi do reitor ou se o edital chegou pronto para ele apenas assinar. Quem tomou a decisão de excluir a obra da Lucinda e por quê?”, questinou a escritora Marta Cocco, que também é professora da Unemat.

 

Mahon contou em entrevista que o conselho diretor da Unemat havia decidido que dois autores mato-grossenses - um clássico e um contemporâneo - entrariam para a lista de obras do vestibular e a cada dois anos haveria uma troca de obras e escritores.

 

“Constituiu-se uma comissão especial para análise dos autores. E claro, foi escolhido logo de cara Ricardo Guilherme Dicke, que é um ícone de Mato Grosso, e a maior poeta viva daqui, que é a Lucinda Persona”, comenta.

 

Ele atribui a decisão de retirar o título de Lucinda a uma suposta dificuldade em adquirir a obra. “A comissão viu muitas reclamações de que não conseguia encontrar o livro. Na verdade o que o paulista, o carioca, o gaúcho reclama é porque ele não viu isso no Ensino Médio”, disse.

 

Ele finaliza criticando mais uma vez a decisão de retirar os autores. “É uma visão – odeio essa expressão – muito colonialista do pensamento. Aqui é o seguinte: só vale o nacional. Isso [a retirada] confirma o descrédito. Acho que a instituição está cedendo ao mais fácil. Ela está se recusando a encarnar a missão institucional para a qual foi criada, que é refletir e ajudar a transformar o Estado de Mato Grosso”, concluiu.

 

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet