Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 20 de Outubro de 2019

0 9
:
0 1
:
2 2

Últimas Noticias

Enquete

Você é a favor ou contra Lula ir para a prisão domiciliar?

Internauta AN

Notícias / Geral

22 Abr 2019 - 16:00

Em MT, 14 UPAs deveriam estar atendendo

Gazeta Digital

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)

Publicidade

Mato Grosso tem 14 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) que, em média, há quatro anos já deveriam estar prestando atendimento à população. Consulta no Portal Cidadão do Ministério da Saúde, o Sismob, aponta que só de valores iniciais as obras receberam mais de R$ 25 milhões. Três delas já estão concluídas, mas não entraram em funcionamento. As unidades estão localizadas em Juara (709 km ao médio-norte de Cuiabá), Peixoto de Azevedo (691 km ao Norte) e Pontes e Lacerda (448 km ao Oeste).   

Nas situações mais críticas aparecem duas unidades em construção em Cuiabá, a UPA Oeste, que é a do Verdão, e a UPA do Jardim Leblon. O portal do Ministério da Saúde indica que a obra do Verdão está com 89% das obras concluídas num orçamento inicial de R$ 4,9 milhões. A unidade está projetada para atender, em média, 800 pessoas por dia e no mês de janeiro a promessa da Secretaria Municipal de Saúde era de que a entrega estivesse no calendário de comemoração dos 300 anos da capital. No entanto, consulta no portal do governo federal mostra que a obra, que iniciou em 2015, encontra-se paralisada.  

Já na UPA do Jardim Leblon, orçada em R$ 5,1 milhões, apesar de estar em situação de andamento, pouca movimentação é observada. De acordo com Ministério da Saúde, a UPA é uma das oito que estão em obras no Estado.   

O levantamento revela que 43% dos trabalhos foram finalizados. A obra está tomada pelo matagal e os funcionários são contados a dedo. A placa de lançamento indica que os trabalhos foram iniciados em abril de 2016, com previsão de entrega em abril de 2017. Mas, hoje, dois anos após a previsão, a olho nu percebesse que muita coisa ainda precisa ser feita.  

Presidente do bairro Jardim Leblon, Claudir Rocha, o Chico Leblon, diz que é muito triste ver uma obra que já atravessa gestões sem ser concluída e que já poderia estar atendendo a população. Ele ressalta que a unidade de saúde é esperada pela população e vai suprir a carência de muitos que necessitam deslocar até a UPA Morada do Ouro para serem atendidos.  

Outras unidades   

Outras sete UPAs estão em construção no nos municípios de Várzea Grande, Água Boa (730 km ao Leste), Alta Floresta (803 km ao Norte), Colniza (1.065 km ao Noroeste), Confresa (1.160 km ao Nordeste), Guarantã do Norte (715 km ao Norte) e Poconé (104 km ao sul).   

A UPA de Várzea Grande tem previsão de inauguração para o aniversário da cidade, no próximo mês. A UPA Cristo Rei será a terceira unidade pública municipal a funcionar 24 horas/dia durante todos os dias do ano. As outras duas unidades são o Hospital e ProntoSocorro Municipal de Várzea Grande que tem 30 anos de funcionamento e a UPA Ipase que completa 3 anos de funcionamento em junho.   

Entre construção e equipar a UPA para funcionar, a prefeitura de Várzea Grande gastou menos de um ano e meio.   

Já concluídas e também com data prevista para entrega estão as UPAs de São Félix do Araguaia (1.200 km ao Nordeste) e de Chapada dos Guimarães (67 km ao Norte). A de São Félix teve custo de R$ 1,2 milhão, conforme Ministério da Saúde, e deve ser entregue em julho deste ano. Já a de Chapada ficou em R$ 1,3 milhão e tem previsão de entrar em funcionamento no próximo mês.   

Das obras concluídas e sem utilização, a de Peixoto de Azevedo o Ministério Público chegou a acionar o município para que a unidade abrisse as portas. O local foi concluído, mas o município não adquiriu o mobiliário para colocar a UPA em funcionamento, o que fez com que o órgão ministerial entrasse com a ação em 2017.   

Em relação à UPA de Pontes e Lacerda, foi cogitado pelo município no mês de fevereiro que o local tornasse um Centro de Especialidades Médicas, Odontológicas e Laboratório Municipal.   

Representante da Comissão de Saúde da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso (OAB/MT), André Luis Araújo da Costa avalia que toda obra traz impacto para sociedade. Segundo ele, um dos motivos é o desperdício do dinheiro público e o outro, no caso da saúde, é a falta do serviço à população. “A falta deste serviço sobrecarrega outras unidades. Por isso a importância de que os cronogramas das obras sejam cumpridos. Os gestores precisam colocar como prioridade, pois a falta ocasiona num impacto para a saúde”.    

André Luis aponta como causas dos atrasos nas obras a crise enfrentada pelos estados e União e, consequentemente, a falta de repasses de recursos. Mas, por outro lado, destaca a falta de interesse dos gestores. “Eles acabam apenas apagando fogo. Isso devido ao repasse deficitário que acaba gerando esta situação”, afirma.   

Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Saúde do Estado de Mato Grosso (Sisma), Oscarlino Alves diz que o Sistema Único de Saúde é composto por uma hierarquia, a atenção primária, secundária e terciária. No caso das UPAs, elas entram na atenção secundária. “É uma unidade de pronto atendimento de portas abertas que foi idealizada pelo Ministério da Saúde para atender esta demanda”, ressalta.   

As obras paradas, conforme Oscarlino, são resultados da má gestão. “Quando não tem estas unidades de pronto atendimento, sobrecarrega o ProntoSocorro, que hoje está sucateado. Essas obras fazem muita falta, as pessoas que não têm este atendimento precisam se deslocar para uma distância maior. Ela vai para um lugar precário para ser atendida”.  

Oscarlino destaca ainda que os pacientes não estão sendo atendidos com dignidade por conta da falta deste suporte. “Isso sobrecarrega todo o sistema. Além do prejuízo para a população causa um prejuízo ao erário, se gasta muito dinheiro com as obras e não coloca o serviço para funcionar”, finaliza Oscarlino Alves.  

Outro lado  

A reportagem entrou em contato com os municípios de Colniza, Alta Floresta, Confresa, Guarantã do Norte, Poconé, Juara, São Félix do Araguaia e Pontes Lacerda, sem sucesso. Somente o prefeito de Água Boa retornou o contato informando que esteve em Brasília para discutir sobre a UPA na cidade. No entanto, que somente o secretário de saúde poderia falar mais sobre o assunto, mas que o mesmo estaria de férias, voltando apenas no dia 23.   

A Prefeitura de Cuiabá também foi procurada, mas até o fechamento da matéria não se manifestou a respeito do assunto.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet