Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 22 de Maio de 2019

0 6
:
1 0
:
3 1

Últimas Noticias

Torpedos

Alternativa

Parabéns ao sindicato rural e prefeitura municipal de vila rica MT 33 anos de aniversario

Camilão iluminado!

Parabenizo a administração municipal que atendeu as diversas solicitações dos munícipes e iluminou...

Camilão às escuras

A situação da praça Camilão é triste. Um dos pouquíssimos espaços públicos para lazer e talvez o...

Campanha Publicitária

Classificados

SANDERO STEPWAY 12/12

Cidade: CONFRESA

Anunciante: RAFAEL GABOARDI BECKER

Valor: A COMBINAR

casa para vender

Cidade: Confresa

Anunciante: ADILSON VITAL

Valor: A combinar

Ford Focus 2007

Cidade: Confresa

Anunciante: Wilsrley

Valor: 9.000,00

Notícias / Geral

15 Mai 2019 - 13:40

Comper vai indenizar cliente acusado de receber o troco por 2 vezes

Para juiz, autor passou por situação humilhante ao ser abordado no estacionamento do mercado

Mídia News

Reprodução Ilustrativa

Comper deve indenizar cliente após acusá-lo de receber troco de R$ 13,75 em duplicidade (Crédito: Reprodução Ilustrativa)

Comper deve indenizar cliente após acusá-lo de receber troco de R$ 13,75 em duplicidade

Publicidade

Publicidade

O juiz Yale Sabo Mendes, da Sétima Vara Cível de Cuiabá, condenou a rede de supermercados Comper a indenizar um cliente em R$ 15 mil, a título de danos morais, após fazê-lo passar por situação de constrangimento em um de seus estabelecimentos, na Capital.

 

De acordo com a ação, L.C.S. foi abordado no estacionamento do supermercado e acusado de ter recebido o troco por duas vezes do caixa, no valor de R$ 13,75.

 

A defesa do Comper, no entanto, alegou que a situação ocorreu de forma diferente ao que foi relatado pelo autor e que o cliente teria alterado o comportamento, inclusive agredindo verbalmente os funcionários do local.

 

“Em momento algum seus prepostos teriam acusado o requerente de qualquer atitude dolosa, e que sua conduta sempre foi pautada na boa fé e excelência no atendimento. Relata que o autor apresentou-se extremamente alterado frente aquela situação e, ao contrário do asseverado, foi ele quem teria agredido verbalmente seus funcionários. Discorre sobre a ausência dos pressupostos do dever de indenizar, propugnando ao final, pela improcedência da ação”, alegou.

 O juiz argumentou que, assim como o supermercado guarda as imagens do monitoramento de segurança, deveria se resguardar também na conduta pregada na frente de seus funcionários, que presenciaram a cena.

 

“Dessa forma, não há como afastar a inversão do ônus da prova, pois somente à ré era possível a produção de provas quanto a tese defensiva no sentido de que não excedeu aos limites do exercício regular do direito de fiscalização, ônus do qual não se desincumbiu”, disse o magistrado.

 

O juiz ainda criticou a maneira duvidosa de como o cliente foi abordado, quando já estava no estacionamento do estabelecimento comercial.

 

“Aliás, a confessada 'dúvida' sobre a duplicidade no troco recebido pelo requerente gerada levianamente por uma de suas prepostas foi posteriormente confirmada não ter de fato acontecido, ou seja, o troco foi corretamente entregue ao requerente uma única vez, circunstância que por si já demonstra o despreparo e o excesso no trato da questão, pois, ao meu sentir, a abordagem de um cliente que já se encontra no estacionamento do supermercado por conta de R$ 13,75 é de todo desproporcional”, afirmou.

 Conforme o juiz, ficou comprovado o total constrangimento que o cliente teve que passar, causando-lhe humilhação e acusação de ter recebido um dinheiro erroneamente.

 

“A par de tais considerações, patente a ocorrência de abordagem indevida que extrapolou os limites da proporcionalidade e razoabilidade, ultrapassando a normalidade, e rendendo ensejo a reparação por danos morais causados à parte Requerente, sobretudo pela acusação de recebimento de um dinheiro erroneamente, feita diante das pessoas que por ali transitavam naquele momento, causando apreensão, dissabor e humilhação”, disse.

 

Na condenação, o magistrado afirmou que a reparação dos danos se faz necessária para compensar a dor gerada à vítima.

 

“Assim, diante do caso concreto, tenho que o valor de R$ 15.000,00 atende aos princípios da proporcionalidade e razoabilidade, devendo ser acrescido de juros de 1% ao mês e corrigido monetariamente a partir do arbitramento”, determinou.

 

O Comper também terá que arcar com os honorários advocatícios do cliente, fixados em 20% sobre o valor da condenação.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet