Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Terça-feira 20 de Agosto de 2019

0 4
:
2 4
:
5 8
publicidade

Notícias / Educação

22 Mai 2019 - 16:20

Petista diz que reajuste é direito garantido e deve ser cumprido

Profissionais cobram cumprimento da Lei da Dobra do Poder de Compra, aprovada em 2013

Mídia News

Alair Ribeiro/MidiaNews

O deputado Valdir Barranco, que apontou falta de diálogo do Governo com profissionais da Educação (Crédito: Alair Ribeiro/MidiaNews)

O deputado Valdir Barranco, que apontou falta de diálogo do Governo com profissionais da Educação

Publicidade

O deputado estadual Valdir Barranco (PT) afirmou ser legítimo o movimento grevista dos profissionais da Educação do Estado, que terá início a partir da próxima segunda-feira (27).

 

Uma das principais reivindicações dos profissionais diz respeito à Lei da Dobra do Poder de Compra, aprovada em 2013 e que dá direito a cerca de 7% de reajuste a mais anualmente na remuneração dos professores, além da RGA, durante 10 anos.

 

O Executivo dá sinais de que, em função das dificuldades de caixa do Governo, não deverá conceder o reajuste.

 “Não são benefícios, são direitos garantidos em lei. A RGA está na Constituição e a lei que estabelece a dobra do poder de compra foi objeto de muita discussão, inclusive acompanhada pelo MPE, pela Procuradoria Geral de Justiça. Isso se tornou uma lei e o Governo tem que cumprir”, disse Barranco.

 Na avaliação do petista faltou diálogo do governador Mauro Mendes (DEM) com os profissionais da Educação, de modo que o movimento grevista tornou-se algo “incontornável”.

 

Todavia, Barranco admite que a greve é um “atraso” e traz uma série de prejuízos a todos os envolvidos no movimento.

 

“Acho que o governador Mauro Mendes deveria ter tido mais paciência, mais disposição ao diálogo. E agora vejo que a greve é incontornável. A greve está decidida, a partir de segunda-feira as escolas irão parar e as consequências certamente serão muito ruins”, disse.

 

“A greve não interessa a ninguém, nem aos estudantes, nem aos professores - que depois vão ter que repor as aulas -, não interessa à sociedade, não interessa ao Estado. Greve é sempre um atraso, o que se perde durante o período de greve não se recupera na sua totalidade”, acrescentou.

 

Números “manipulados”

 

Ainda durante a entrevista, o deputado petista demonstrou não acreditar nos dados divulgados pelo Governo do Estado na manhã desta terça-feira (2) que apontam para o estouro da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) no que diz respeito a gasto com pessoal (atingindo patamar de 61,72%, acima do permitido na legislação).

 

“Numero é número, cada um manipula do jeito que quer. Números podem ser manipulados”, resumiu.

 

“Reitero: o que faltou foi diálogo. O Governo não sentou, não dialogou. Acho que ele está pensando que é brincadeira isso aí, pensando que ele vai dar um grito e todo mundo vai voltar para sala de aula. Não sei como vai resolver isso. Infelizmente é muito ruim para o Estado”, concluiu.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet