Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Sexta-feira 22 de Novembro de 2019

1 9
:
4 1
:
5 6

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Judiciário

24 Mai 2019 - 13:00

Juiz proíbe escola de expulsar aluno por ter cabelos compridos

Instituição adventista de ensino diz que cabelos longos não são permitidos a alunos do sexo masculino

Mídia News

Reprodução

O juiz Yale Sabo Mendes, da 7ª Vara Cível de Cuiabá, que assina a decisão (Crédito: Reprodução)

O juiz Yale Sabo Mendes, da 7ª Vara Cível de Cuiabá, que assina a decisão

Publicidade

O juiz Yale Sabo Mendes, da 7ª Vara Cível de Cuiabá, proibiu o Colégio Adventista “Natália de Paula Arruda”, de Cuiabá, de expulsar um estudante por ter cabelos compridos. A decisão desta quinta-feira (23) ainda fixa multa de R$ 500 por hora, caso a instituição descumpra a determinação.

 

A família do garoto recorreu a justiça após a unidade educacional notificá-la – por e-mail – que iria expulsá-lo por ter cabelos compridos.

 

De acordo com o magistrado, a imagem e honra do aluno devem ser preservadas, independente das regras administrativas da instituição. 

 

"Anoto não haver o perigo de dano inverso, pois a tutela aqui deferida refere-se à manutenção dos serviços educacionais contratados pelo requerente, devendo ser preservada a imagem e a honra do aluno em sobreposição à qualquer regra administrativa, aparentemente não fiscalizada pela Requerida da maneira adequada (antes de receber o aluno com a matrícula ou imediatamente ao início das aulas)", apontou o magistrado, em decisão de tutela de urgência.

 O magistrado ainda cita que, com o afastamento, o estudante pode ter o seu desenvolvimento pedagógico prejudicado e sofrer danos emocionais irreparáveis.

 

“Conseguinte, o perigo de dano decorre dos prejuízos naturais e inafasáveis ao sistema emocional do adolescente, sobretudo ao desenvolvimento pedagógico e de ensino do autor, causado por uma interrupção injustificada no calendário e métodos educacionais de ensino já no final do primeiro semestre letivo, sendo os danos causados ao Autor de dimensão inimaginável”, afirmou o juiz.

 

O caso

 

Conforme consta na ação, a Escola Adventista aponta que, conforme o regulamento interno da instituição, é vedado a alunos do sexo masculino terem cabelo cumprido.

 A escola chegou a realizar uma reunião com os pais do aluno e determinou que "a questão relativa ao comprimento do cabelo do aluno" deveria ser resolvida em 24 horas.

 

Após o prazo, ocorreu a comunicação da "transferência compulsória" do adolescente, comunicada via e-mail.

 

O magistrado cita que a reunião e a notificação se fez apenas meses após a matricula escolar (realizada no fim de dezembro) e após quatro meses do início das aulas.

 

"De modo que entendo desarrazoado e altamente prejudicial ao desenvolvimento estudantil do Requerente, apenas neste momento, a Requerida se rebelar contra o corte de cabelo do Requerente, já no final do primeiro semestre letivo", disse.

 

Para Yale, já que é a regra da escola, bem como de outras instituições da rede adventista, a escola deveria estabelecer padrões de fiscalização ainda na pré-matricula. 

 

“Entendo que, sendo uma norma ética incomum, a Requerida deveria se valer de meios mais eficazes do ponto de vista letivo e administrativo, para compelir o consumidor a cumprir as normas da instituição. E não imputar ao aluno e seus responsáveis a obrigação de se adequar às normas da escola ou perder o semestre letivo, conforme literalmente vislumbro ter ocorrido no presente litigio”, disse o magistrado.

 

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet