Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 15 de Setembro de 2019

1 3
:
0 7
:
0 1

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Internauta AN

Notícias / Tecnologia

19 Jun 2019 - 09:03

7 fatos assombrosos sobre a doença da vaca louca em humanos

Fatos desconhecidos

Publicidade

 

Uma variante da Doença de Creutzfeldt-Jakob (vCJD) ficou conhecida como a versão humana da Doença da Vaca Louca. Esta é uma doença extremamente rara, mas também extremamente aterrorizante. Os cientistas ainda buscam entender exatamente como funciona tal condição e se é possível encontrar uma cura para a mesma.

No entanto, eles já descobriram o suficiente para aumentar as regulamentações de saúde para a produção de carne bovina. Nos Estados Unidos, por exemplo, o Departamento de Agricultura exige que todo o material da medula espinhal e do cérebro bovino seja descartado. Pensando nisso, hoje, listamos para vocês alguns dos fatos mais terríveis sobre a doença nos humanos. Confira!

1 - É uma doença priônica

As doenças priônicas são formas raras de distúrbios cerebrais. Elas alteram a estrutura do cérebro de uma pessoa e são transmissíveis. Esse tipo de doença acomete tanto humanos quanto animais. A Doença de Creutzfeldt-Jakob é uma das formas mais mortais de doenças priônicas. Todos os humanos têm proteínas priônicas no cérebro, porém, os cientistas ainda não compreendem totalmente as suas funções normais.

2 - É transmitida diretamente das vacas

A forma mais comum dos humanos serem contaminados com o príon causador da doença é através da ingestão da carne de uma vaca contaminada. A Doença da Vaca Louca é muito semelhante à Doença de Creutzfeldt-Jakob, porque são causadas por um príon anormal sendo transferido para o animal. Não sabemos de fato como a doença começou. Mas, acreditam os especialistas que tenha sido depois de uma vaca comer uma ração que continha carne de uma ovelha infectada com outra doença priônica.

3 - Criou outra doença

Kuru foi o nome dado a uma outra doença priônica, que se espalhou em tribos na Papua-Nova Guiné. A doença se originou em tribos que praticavam um estilo de canibalismo. Seus integrantes comiam o cérebro de seus parentes mortos como um sinal de respeito. Tal prática foi interrompida no início da década de 1960.

Entretanto, os casos de Kuru ainda continuaram a surgir. Isso porque a doença poderia ficar incubada por muito tempo. Ao menos 10 anos. Os cientistas acreditam que o Kuru originou-se quando as pessoas comeram o cérebro de alguém com a Doença de Creutzfeldt-Jakob. O que acontece no cérebro de uma pessoa com Kuru é semelhante ao que ocorre com alguém com Doença de Creutzfeldt-Jakob.

4 - Pode haver uma opção de tratamento

Ainda não há cura conhecida para a Doença de Creutzfeldt-Jakob. Infelizmente, uma vítima da doença sobrevive por apenas uma média de 13 meses. Isso a partir dos primeiros sintomas da doença. Diversas medicações foram testadas para combater a doença, porém nenhuma deles se provou eficaz.

Por outro lado, existe um caso relatado de uma pessoa que foi tratada com polissulfato de pentosana e sobreviveu por 51 meses, depois que os primeiros sintomas surgiram. O que significa que essa medicação poderia funcionar em outras pessoas com algumas pesquisas mais profundas.

5 - Diagnóstico confirmado após a morte

Devido à raridade da doença nos humanos, é um verdadeiro desafio para os médicos diagnosticarem oficialmente um paciente com ela. Quando há suspeitas desse diagnóstico, o médico precisa realizar alguns testes padrões para garantir que não se trata de um transtorno mental mais comum. Entre os procedimentos estão a punção lombar e ressonância magnética, que poderiam detectar anormalidades.

No entanto, a única forma de se confirmar que alguém possui uma forma de Doença de Creutzfeldt-Jakob é através de uma biópsia cerebral ou autópsia. Apesar da biópsia poder ser executada quando o paciente ainda está vivo, ela é altamente não recomendada devido aos riscos que sua execução envolve. Novos testes, para diagnósticos mais rápidos e efetivos, estão sendo estudados.

6 - Raridade

A doença afetará aproximadamente três pessoas a cada um milhão. O que a classifica como uma doença extremamente rara. Desde que a doença foi identificada pela primeira vez em 1996, já foram relatados 231 casos. De todos eles, 178 ocorreram no Reino Unido. Em três casos relatados, o príon infectado foi transmitido por transfusão de sangue.

7 - Espalhou no mundo todo

Apesar da doença ter se originado no Reino Unido, outros quatro casos foram registrados nos Estados Unidos e outros 49 em 10 outros países. 27 casos ocorreram na França, cinco na Espanha, quatro na Irlanda, três na Holanda e Itália, dois em Portugal e Canadá, e um no Japão, Arábia Saudita e Taiwan.


Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet