Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Sexta-feira 20 de Setembro de 2019

1 1
:
2 3
:
1 5

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Internauta AN

Notícias / Educação

20 Jun 2019 - 13:00

Greve da Educação já dura 23 dias; Justiça autorizou Executivo a descontar dias não trabalhados

Mídia News

Alair Ribeiro/MidiaNews

O presidente do Sintep, Valdeir Pereira:

O presidente do Sintep, Valdeir Pereira: "Quem decide sobre recuo ou não de greve é a categoria"

Publicidade

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Valdeir Pereira, negou enfraquecimento da greve dos servidores e disse que a redução do número de unidade escolares que aderiram ao movimento é resultado do corte de pontos feito pelo Governo do Estado.

 

Em maio, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso confirmou o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) no sentido de que o Estado pode cortar o ponto de servidores que se ausentarem do seu expediente em razão de greve.

 

O MidiaNews teve acesso ao mais recente levantamento divulgado pelo Governo, o qual mostra que 30 escolas decidiram retornar às atividades, ao longo da semana passada, parcial ou integralmente. Até o dia 13 de junho, apenas 376 das 767 das unidades escolares estavam paradas.

 

“[Os servidores] Não estão voltando porque entendem que o Governo é lindo e maravilhoso ou que está sendo injustiçado pela greve. Estão voltando porque entendem que o Estado é truculento e comprometeu a sobrevivência dos trabalhadores com o corte de ponto”, afirmou o sindicalista ao MidiaNews.

“Quem decide sobre recuo ou não de greve é a categoria. A direção do Sintep-MT é deliberada pela categoria. Assim como ela define o momento que ela entra no movimento de greve, é ela que vai dizer qual o momento de retornar”, completou. 

 

Valdeir afirmou, ainda, que muitos servidores estão indo às escolas, batendo ponto, mas continuam no movimento paredista.

 

“Em muitos casos, alguns voltam apenas para bater o ponto, não estão sequer trabalhando com os alunos”, revelou. 

 

“O que nós temos a lamentar é que, infelizmente, o Governo do Estado de Mato Grosso, a exemplo do perfil diante das negociações, elegeu como inimigo do Estado o funcionalismo público. O que demonstra que é um Governo que não tem muita coisa a oferecer aos mato-grossenses”, criticou.

 

Os servidores parados há 23 dias exigem, entre outras demandas, o cumprimento da lei da dobra salarial (aprovada em 2013), que dá direito a 7,69% a mais na remuneração, anualmente, durante 10 anos.

 

Ação na Justiça

 

O sindicalista afirma que o Sintep já ingressou com uma ação para reverter a decisão sobre o corte de pontos dos servidores da Educação.

 

“Essa discussão do corte de ponto nós já estamos fazendo no âmbito do Judiciário. É a primeira vez que nos deparamos com um Governo que se porta como Executivo, Legislativo e Judiciário, em uma mesma performance”, disse.

 

“Como Legislativo, seleciona qual é a lei que ele acha que deve cumprir. Lei é lei, deve ser cumprida. Executivo por apresentar uma série de medidas, não ouvir outras partes para procurar uma negociação plausível com a categoria. E como Judiciário porque [diz que] uma greve que está cobrando cumprimento de lei é ilegal”, completou. 

 

Para ele, o Governo Mauro Mendes (DEM) não tem atitudes “republicanas”, mas a categoria não deve desistir da greve enquanto não receber uma proposta do Executivo.

 

“É um Governo que infelizmente não tem os princípios muito republicanos, mas a categoria entende que o momento é de fazer resistência, tanto que a greve persiste em Mato Grosso. Não há nesse momento a perspectiva de se discutir uma suspensão de greve sem proposta”, disse.

 

Movimento paredista 

 

Na segunda-feira (24), a categoria irá se reunir com a direção do sindicato, às 14h, para deliberar sobre a greve. 

 

“No dia 25, estamos orientando atos simultâneos em todas as cidades de Mato Grosso. Nesse dia vai acontecer uma audiência com o Governo. Caso não avancem há possibilidade de atos mais incisivo. Provavelmente, faremos manifestações nesses dias”, disse o sindicalista.

 

A greve

 

Em assembleia que aprovou a greve, no dia 27 de maio, os profissionais da Educação apontaram que a paralisação é resultado das ações do Governo em relação à Revisão Geral Anual (RGA), ao escalonamento salarial e ao descumprimento da lei que prevê a dobra do poder de compra nos salários dos professores.

 

A categoria pede ainda que o Governo faça um calendário para melhorar a infraestrutura das escolas, além de exigir a realização de concurso público.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet