Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 17 de Novembro de 2019

0 8
:
5 7
:
4 4

Últimas Noticias

Notícias / Educação

25 Jun 2019 - 10:00

Professores mantêm greve e cobram negociação com o Governo

Líder de movimento diz que redução de escolas paradas é por conta de “pressão” do Executivo

Mídia News

Alair Ribeiro/MidiaNews

Os profissionais da Educação de Mato Grosso votaram por manter greve (Crédito: Alair Ribeiro/MidiaNews)

Os profissionais da Educação de Mato Grosso votaram por manter greve

Publicidade

Os profissionais da Educação de Mato Grosso votaram por manter, por tempo indeterminado, a greve iniciada no dia 27 de maio. A decisão foi tomada em uma assembleia geral no início da tarde desta segunda-feira (24), na Escola Estadual Presidente Médici, em Cuiabá.

 

Os servidores cobram o cumprimento da lei da dobra do poder de compra - aprovada em 2013, na gestão do ex-governador Silval Barbosa, e que dá direito a 7,69% a mais anualmente na remuneração durante 10 anos - e a Revisão Geral Anual (RGA). 


 

Além disso, o movimento grevista ainda exige o retorno dos salários que foram descontados durante a paralisação, mais concursos públicos para a Educação e melhoria na infraestrutura das escolas.

 O presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Valdeir Pereira, afirmou que os servidores apresentaram alternativas para o cumprimento da lei da dobra. Entretanto, para ele o governador Mauro Mendes (DEM) "não tem interesse em fazer valer a lei".

“Nós estamos apontando os caminhos para que ele possa cumprir o que é estabelecido. O que não dá é uma lei estar em vigência e o Governo optar em não cumprir. Isso não tem ordenamento jurídico nacional”, afirmou.

 

"Pressão" do Governo

 

Questionado sobre a saída de mais da metade das escolas da greve, o sindicalista negou enfraquecimento do movimento e disse que os servidores que estão retornando às atividades continuam insatisfeitos com o Governo.

 

Levantamento do MidiaNews, divulgado nesta segunda-feira, mostra que 54,89% das 767 unidades escolares do Estado estão em atividades integral ou parcialmente. Já 45,11% das escolas estão, ainda, em greve.

 

“Muitos desistiram equivocadamente, porque entenderam que a pressão do Governo estava muito grande. As pessoas que retomaram as suas atividades não estão a favor do Governo. É porque tem um descontentamento com as ações do Governo em si”, disse.

 

“O Governo deveria estar preocupado em ler a constituição de Mato Grosso, que estabelece o artigo 245 [que destina 35% dos impostos recolhidos para a Educação], ao invés de ficar perdendo tempo contando quem é que está voltando [da greve]”, afirmou.

 A assembleia geral ainda aprovou a participação na audiência de conciliação com o governador a pedido da desembargadora Maria Erotides Kneip, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

 

“Ela [a desembargadora] remete para a questão de reconciliação e nós aprovamos que iremos aguardar essa agenda do Tribunal de Justiça, juntamente com as mobilizações para avançar nas negociações políticas com o Governo”, completou.

 

Sem nova proposta

 

Em conversa com a imprensa, nesta segunda, o governador Mauro Mendes afirmou que não irá apresentar uma proposta de pagamento das exigências dos profissionais.

 

Ele disse estar aberto ao diálogo, porém que o Estado enfrenta “uma dura realidade financeira”. Ele teme prometer o reajuste e não conseguir cumprir.

 

“Nós estamos, em qualquer diálogo que formos convidados, dispostos a conversar. Mas entendemos que poderemos fazer qualquer tipo de alteração na nossa conduta quando o Estado recuperar o limite de 49% em gasto com pessoal”.

 

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet