Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 22 de Setembro de 2019

1 3
:
1 3
:
0 7

Últimas Noticias

Internauta AN

publicidade

Notícias / Tecnologia

3 Jul 2019 - 08:50

Memória ruim pode ser sinal de inteligência, segundo estudo

Fatos desconhecidos

Publicidade

 

Muito provavelmente, você deve conhecer alguma pessoa que gosta de se gabar de sua ótima memória. Certo? Mas, acredite, conseguir recordar-se perfeitamente de algo é totalmente superestimado. Segundo cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá, ser uma pessoa esquecida pode ser um bom sinal. Isso porque esquecer é normal e ainda pode nos deixar mais inteligentes.

É o que revelou um novo artigo, publicado na revista Neuron, e realizado pelos pesquisadores, Paul Frankland e Blake Richards. Eles propuseram que o objetivo de nossas memórias não é transmitir com toda a precisão uma informação ao longo do tempo. Segundo eles, o que lembramos serve para otimizar uma tomada de decisão inteligente, mantendo o que é de fato importante e descartando o que não é.

"É importante que o cérebro esqueça detalhes irrelevantes e se concentre em coisas que o ajudarão a tomar decisões no mundo real", disse Richards, um associado do programa Learning in Machines and Brains, em entrevista à CNN.

Os cientistas só chegaram a essa conclusão após anos de estudos sobre a memória, perda de memória, atividade cerebral em humanos e animais. Inclusive, um dos estudos de Frankland, feito com roedores, mostrou que memórias antigas são substituídas e têm seu acesso dificultado por novas conexões à medida que novas células cerebrais são formadas no hipocampo. Esta é uma região do cérebro associada ao aprendizado de novas coisas.

Ainda de acordo com os pesquisadores, essa sucessão de memórias antigas por novas pode apresentar diversos benefícios evolutivos. Elas podem nos ajudar a nos adaptar à novas situações. Por exemplo, ao "apagar" informações que já não são mais úteis, ou que estão desatualizadas e são potencialmente enganosas. "Se você está tentando navegar pelo mundo e seu cérebro está constantemente trazendo memórias conflitantes, fica mais difícil para você tomar uma decisão informada", disse Richards.

Outra "técnica" utilizada pelo cérebro é esquecer detalhes sobre eventos passados, sem se esquecer do que aconteceu no geral. Os pesquisadores acreditam que isso nos capacite a generalizar algumas experiências anteriores, para que possamos aplicá-las em situações atuais.

"Todos nós admiramos a pessoa que é muito boa e que sempre vence jogos de perguntas e respostas, mas o fato é que a evolução moldou nossa memória não para ganhar um jogo desse tipo, e sim para tomar decisões inteligentes. Quando olhamos para o que é necessário para tomar decisões inteligentes, argumentamos que é saudável esquecer algumas coisas", disse Richards.

Esquecido?

Dessa forma já podemos respirar mais aliviados sobre esquecer algumas coisas, principalmente aquelas que não necessariamente precisamos nos lembrar. O pesquisador acredita que não devíamos nos cobrar tanto. Porém, caso isso esteja atrapalhando a vida cotidiana, o melhor é buscar ajuda médica.

"Você não quer esquecer tudo e, se você está esquecendo muito mais do que o normal, isso pode ser motivo de preocupação. Já se você é alguém que esquece detalhes ocasionais, isso é provavelmente um sinal de que seu sistema de memória está perfeitamente saudável e fazendo exatamente o que deveria estar fazendo", afirmou o pesquisador.

Principalmente na era da tecnologia, a qual estamos vivendo nesse momento, onde os computadores e smartphones estão a nossa disposição. Assim, nossos cérebros não precisam armazenar tantas informações como números de telefone. Ou ainda coisas que facilmente poderíamos encontrar em uma busca no Google.

"Em vez de armazenar essas informações irrelevantes que nossos telefones podem armazenar para nós, nossos cérebros são liberados para armazenar as memórias que realmente nos importam", disse ele. Richards ainda incentiva os exercícios físicos como uma forma para "limpar" seu sistema de memória regularmente.

"Sabemos que o exercício aumenta o número de neurônios no hipocampo", disse Richards. Isso poderia causar a perda de algumas lembranças, porém, isso não é tão ruim quanto parece. "(...) são exatamente aqueles detalhes de sua vida que realmente não importam, e isso pode impedir você de tomar boas decisões".

Então pessoal, o que acharam da matéria? Deixem nos comentários a sua opinião e não esqueçam de compartilhar com os amigos.


Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet