Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Sábado 17 de Agosto de 2019

1 1
:
4 1
:
3 1

Notícias / Política

13 Ago 2019 - 14:22

Senadora entra com recurso no TSE para reverter cassação

A chapa da senadora foi cassada em abril deste ano, por unanimidade, pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE)

Mídia News

Alair Ribeiro/Mídia News

 (Crédito: Alair Ribeiro/Mídia News)

Publicidade

A senadora Selma Arruda (PSL) ingressou com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta segunda-feira (12), para reverter a decisão em primeira instância que cassou seu mandado.
 
A chapa da senadora foi cassada, por unanimidade, pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso, em abril deste ano. Ela é acusada de omitir despesas de R$ 1,2 milhão durante a campanha e pré-campanha de 2018, o que configura caixa 2 e abuso de poder econômico.
 
Segunda a defesa da senadora, os valores relatados como sendo frutos de caixa dois totalizam o montante de R$ 319 mil. Estes são apontados pela senadora como gastos realizados durante o período da campanha e são divididos entre a KGM, empresa de pesquisa eleitoral, e a Genius Publicidade.
 
O valor pago à KGM, no total de R$ 140 mil, “não veio com a inicial, portanto deve ser excluído”.
 
“Já o restante, R$ 179 mil, refere-se a gasto contratado para a pré-campanha, não havendo prova segura em sentido contrário. Apenas presunção, em razão da data de pagamento”, afirmou a defesa.
 
Para a defesa, o valor restante, menos de R$ 179 mil, não poderia – sozinho – resultar na cassação da senadora, pois “sua eleição não se deu por isso”.
 
 
Assim, por tudo, de forma muito objetiva, não há prova das ilicitudes. E isso, claro, se o mérito for analisado desde já, pois as preliminares são insuperáveis e devem, sem dúvida, ocasionar a anulação do feito
“Assim, por tudo, de forma muito objetiva, não há prova das ilicitudes. E isso, claro, se o mérito for analisado desde já, pois as preliminares são insuperáveis e devem, sem dúvida, ocasionar a anulação do feito e retorno para reavaliação, em nome da ampla defesa violada pelo Regional mato-grossense”, concluiu a defesa.
 
Abuso de poder econômico
 
Conforme a decisão na primeira instância, a senadora teria cometido abuso de poder econômico, pois os gastos entre pré-campanha e campanha teria ultrapassado o “razoável”.
 
A defesa alega que, durante a pré-campanha, a legislação não limita os gastos pelo candidato e argumenta que as sanções só poderiam ser aplicadas caso o limite de R$ 3 milhões (limite estabelecido pela Lei Eleitoral) fosse extrapolado. No caso da senadora, os gastos totalizaram R$ 2,9 milhões.
 
“Somente poderiam gerar sanção se houvesse abuso de poder econômico, contudo, como visto, sob nenhuma matemática, pré-campanha e campanha superariam o teto da candidatura. Logo, nem mesmo por esse parâmetro poderia haver a procedência”, disse defesa.
 
Crítica ao TRE
 
No recurso, a defesa diz que o julgamento no TRE ocorreu de maneira "acelerada" e que espera que o julgamento no TSE seja “mais técnico e sem influência daqueles que a senadora, enquanto magistrada, levara à cadeia”.
 
“Destaque-se, antes da análise de cada qual dos pontos, as insuperáveis nulidades verificadas na instrução processual e, consequentemente, no acórdão regional. A pressa em se condenar a senadora-recorrente levou ao deferimento de provas, mas não à espera por sua produção. Ora, quem defere uma oitiva e depois diz que ela não mais importará? O art. 97-A da Lei Eleitoral, fundamental à celeridade dos feitos eleitorais, não pode ser lido como forma de cerceamento da ampla defesa”, pontuou.
 
“Mas não é só. Indeferiu-se prova pericial e se permitiu que fatos não elencados na petição inicial pudessem servir à condenação. Foi cassado um mandato majoritário, de uma Senadora da República, sem que ela tivesse à disposição os meios de provas inerentes à defesa. É isso que se espera ver corrigido no Tribunal Superior Eleitoral”, argumentou a defesa.
 
Cassação do mandato
 
O TRE-MT, por unanimidade, cassou o mandato de Selma e de seus suplentes, Gilberto Eglair Possamai e Clérie Fabiana Mendes, por uso de caixa 2 e abuso de poder econômico.
 
Para o TRE, ficou comprovado que a senadora efetuou gastos acima do permitido, o que teria prejudicado o resultado do pleito, bem como pagou por despesas acima de R$ 1,2 milhão com dinheiro paralelo à conta bancária oficial, gerando o caixa 2.
 
Além de cassar o mandato de Selma, o Tribunal ainda determinou a realização de novas eleições, para que seja eleito um novo substituto para o cargo.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet