Agência da Notícia

Há 14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 22 de Setembro de 2019

0 1
:
0 2
:
2 4

Últimas Noticias

Internauta AN

publicidade

Notícias / Geral

21 Ago 2019 - 14:19

Governo explica atraso e promete salários até a próxima segunda

Executivo diz que escolas atrasaram o envio de informações à Seduc, mas que fará folha complementar

Mídia News

Alair Ribeiro/Mídia News

 (Crédito: Alair Ribeiro/Mídia News)

Publicidade

O Governo do Estado afirmou que parte dos profissionais de Educação ficou sem receber os salários que foram cortados durante o período de greve em razão de um atraso das escolas no envio de informações.
 
O pagamento dos salários referentes ao período de maio e junho deveriam ser pagos na terça-feira (20). Já os valores cortados em julho e a folha de agosto serão pagos no dia 10 de setembro.
 
Em nota enviada ao MidiaNews, o Executivo disse que a maior parte dos professores tiveram seus salários depositados.
 
“Alguns servidores não entraram nessa folha complementar porque a escola não encaminhou para a Seduc [Secretaria de Educação], em tempo hábil, ou seja, antes do fechamento dessa folha, a planilha com a relação dos servidores que retornaram da greve”, explicou.
 
 
A Seduc já está verificando a situação e fazendo um levantamento para identificar os servidores que ficaram fora
De acordo com o Governo, uma folha complementar está sendo montada nesta semana. Os valores devem ser repassados até a próxima segunda-feira (26).
 
“A Seduc já está verificando a situação e fazendo um levantamento para identificar os servidores que ficaram fora dessa folha para, então, fazer uma folha complementar”, completou.
 
Por conta do atraso, o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) chegou a dizer que iria se preparar para fazer protestos por todo o Estado.
 
Fim da greve
 
Os professores votaram pelo fim da greve no dia 9 de agosto, após 75 dias de paralização.
 
Os servidores cobravam o cumprimento da lei da dobra do poder de compra - aprovada em 2013, na gestão do ex-governador Silval Barbosa, e que dá direito a 7,69% a mais anualmente na remuneração durante 10 anos, e a Revisão Geral Anual (RGA). 
 
O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que benefícios salariais como a RGA e a lei da dobra do poder de compra da Educação serão pagos a partir do próximo ano, desde que haja condição para elevação de gastos com folha (abaixo de 49% da Lei de Responsabilidade Fiscal).
 
Caso haja o que chama de espaço fiscal, o Governo estabeleceu que 75% deste espaço será usado para a RGA de todos os servidores públicos do Estado. Outros 25% serão destinados aos aumentos previstos em leis de carreiras da Educação, Meio Ambiente e Fazenda. 

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet