Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Sábado 16 de Novembro de 2019

2 1
:
3 7
:
2 0

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Geral

11 Out 2019 - 10:12

MPF-MT denuncia servidor por sacar salário-maternidade de indígenas e entregar apenas parte a elas

Uma equipe policial que estava à paisana na porta de um banco em Água Boa, flagrou o servidor sacando o valor integral do benefício, que era de R$4.184,44, e entregando apenas R$920 à indígena beneficiária.

G1-MT

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)

Publicidade

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou à Justiça a prisão preventiva de um servidor terceirizado da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) de Água Boa, a 736 km de Cuiabá, que estaria se apropriando de salários-maternidade de indígenas que têm direito ao benefício.

O G1 tenta localizar a defesa do acusado.

Conforme o MPF, Lusimar Dias Coelho exigia valores de indígenas para auxiliá-los na obtenção do benefício previdenciário, cobrando valores que variavam de R$ 300 a R$ 500.

A Polícia Federal instaurou inquérito e Lusimar foi preso no dia 24 de setembro deste mês, após a confirmação que havia sido deferido benefício previdenciário de salário-maternidade a uma indígena.

Uma equipe policial que estava à paisana na porta de um banco em Água Boa, flagrou o servidor sacando o valor integral do benefício, que era de R$4.184,44, e entregando apenas R$920 à indígena beneficiária. Os policiais abordaram Lusimar e constataram que ele tinha guardado no bolso a outra parte do benefício previdenciário, ou seja, R$3.264,44.

Após ser preso, Lusimar declarou que entregou apenas R$ 920, pois era o valor descrito na primeira folha da documentação apreendida, para facilitar a explicação à indígena sobre o valor a que tinha direito. Ele disse que não se apropriou do restante do benefício previdenciário, apenas não teve tempo de entregar o restante à indígena.

A vítima prestou depoimento e disse que tem 4 filhos, sendo que o último ainda é bebê, não sabendo indicar a data em que nasceu. Ela disse que Lusimar a ajudou a obter o salário-maternidade e confirmou que o servidor havia sacado seu benefício previdenciário junto ao banco, entregou parte do valor sacado a ela e manteve parte para si.

Ela ainda disse que Lusimar cobra de R$ 200 a R$ 300, como forma de comissão, para ajudar a obter o benefício previdenciário, e sempre fica com valor maior do que o acordado. A vítima não soube informar qual o valor tinha direito a receber e que entregou parte dos R$ 920 a seu irmão, para ele comprar comida.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet