Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Quarta-feira 20 de Novembro de 2019

1 6
:
2 6
:
1 2

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Política

24 Out 2019 - 14:19

MPE apura sobrepreço de R$ 7 mi em pregão da gestão Taques

Relatório da Controladoria Geral do Estado também apontou indícios de direcionamento na licitação

Mídia News

Mídia News

O promotor de Justiça, Roberto Turin, que é responsável pleo inquérito (Crédito: Mídia News)

O promotor de Justiça, Roberto Turin, que é responsável pleo inquérito

Publicidade

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um inquérito civil para apurar a suspeita de sobrepreço em um pregão realizado pela Secretaria de Estado de Gestão em 2016, vencido pela empresa Pires de Miranda e Cia.
 
O certame teve preço final registrado em pouco mais de R$ 30,7 milhões e tinha como objeto a contratação de empresa especializada na prestação de serviços de fornecimento de alimentação (almoço/jantar e coffee break).
 
O resultado foi homologado pelo então secretário de Gestão, Júlio Modesto, em fevereiro de 2017.  
 
A investigação do MPE é conduzida pelo promotor de Justiça Roberto Turin, conforme portaria assinada no último dia 8.
 
O inquérito é decorrente de uma auditoria realizada pela Controladoria Geral do Estado (CGE).
 
“Pode-se verificar que o preço adjudicado ao final do Pregão Eletrônico nº12/2016/SEGES, apresentou um sobrepreço no total de R$ 7.437.594,44”, diz trecho do relatório de auditoria.
  
A investigação feita pela CGE apontou, além de sobrepreço, outras irregularidades no certame, entre as quais indícios de direcionamento na licitação.

Conforme a CGE, a quantidade de itens licitados é incompatível com a demanda real do objeto licitado.
 
Também foram feitos requisitos de qualificação econômico-financeira em desacordo com a legislação, além de irregularidades no julgamento do preço.
 
Sobre os itens licitados, por exemplo, a CGE afirmou que o valor executado do pregão corresponde a apenas 3,02% do que fora registrado.
 
“Constata-se que com as quantidades superestimados em relação às efetivamente executadas, empresas menores são excluídas de participarem, visto que a capacidade de atendimento às eventuais necessidades a serem contratadas estaria acima daquela que tais empresas poderiam atender”, disse o relatório.
 
Ao final do documento de 30 páginas, os controladores apontaram irregularidades na licitação, com restrições à competitividade, sobrepreço e superfaturamento decorrente de contratação e execução dos serviços com preços acima dos praticados no mercado.
 
“Por fim, processos de pagamento apresentaram fragilidades: 3 (três) com valores incorretamente pagos, ausência de autorização em alguns casos, retenção incorreta de ISSQN, evidenciando necessidade de orientação às Secretarias e Empresas Públicas do Estado de Mato Grosso”, concluiu a GCE.
 
Inquérito
 
Ao instaurar o inquérito, o promotor Roberto Turin pediu que a CGE lhe encaminhe a análise realizada em relação ao pregão investigado.
 
Pediu ainda que a Secretaria de Planejamento informe se a ata de registro de preço 004/2017, decorrente do pregão eletrônico n° 012/2016-Seges, continua em vigência e, em caso positivo, se houve novas adesões a esta ato ao longo de 2019.


Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet