Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Quarta-feira 20 de Novembro de 2019

1 7
:
1 9
:
5 2

Últimas Noticias

publicidade

Notícias / Política

29 Out 2019 - 15:22

Gaspar Lazzari pode sair da cadeia ainda nesta terça-feira (29); defesa consegui habeas corpus

Gaspar está preso em uma cela da Polícia Federal de Barra do Garças desde o dia 22 de agosto.

Redação - Agência da Notícia

Agência da Notícia/Reprodução

 (Crédito: Agência da Notícia/Reprodução)

Publicidade

O ex-prefeito do município de Confresa Gaspar Domingos Lazzari pode sair a qualquer momento da prisão, a informação foi dada pelo advogado do político Elton Santos. Gaspar está preso em uma cela da Polícia Federal de Barra do Garças desde o dia 22 de agosto.

Segundo a defesa de Gaspar Lazzari um pedido de habeas corpus foi formalizado ao Tribunal Regional Federal, (TRF), e acatado pela justiça. O ex-prefeito de Confresa poderá ser solto ainda nesta terça-feira, (29), sob o pagamento de 10 salários mínimos de fiança.

TAPIRAGUAIA 2

A Operação Tapiraguaia teve sua 2ª fase deflagrada nesta quinta-feira (22.08). Ao todo, são cumpridos três prisões preventivas e sete medidas cautelares nos municípios mato-grossenses de Cuiabá, São Félix do Araguaia, Serra Nova Dourada, Bom Jesus do Araguaia, Apiacás e também em Brasília (DF). Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Barra do Garças, que também determinou o sequestro de bens e valores.

A segunda fase é resultado da análise dos dados bancários e dos objetos apreendidos durante a primeira fase da operação, ocorrida em 30 de janeiro deste ano. O material colhido aponta que um ex-deputado federal de Mato Grosso (hoje suplente de deputado), no período entre 2014 a 2016, teria montado um esquema criminoso em conluio com empresários e ex-prefeitos de Confresa e Serra Nova Dourada.

Segundo a PF, cerca de R$ 601 mil teriam sido utilizados para pagamentos de propina. As investigações mostram que o então deputado teria viabilizado a realização de convênios entre o Ministério da Integração Nacional, através da Secretaria Nacional da Defesa Civil e as prefeituras, amparando-se na justificativa de construção de pontes de concreto emergenciais, devido às enchentes provocadas pelas chuvas.

Os prefeitos, beneficiados com os recursos federais, realizavam licitações repletas de irregularidades, combinando previamente com os empresários contratados para a execução das obras. Os políticos exigiam propinas a essas pessoas, na medida em que fossem realizados os pagamentos.

Os valores utilizados nas propinas provinham na maioria das vezes de medições fraudulentas, como atestados de serviços não realizados ou realizados a menor. Os montantes eram repassados aos gestores municipais e ao ex-deputado, por meio de depósitos e transferências em contas de terceiros.

A análise policial também aponta a emissão de cheques, entregas de dinheiro em espécie e até mesmo pagamento de boletos e contas dos gestores públicos (contas de energia, boletos de estabelecimentos comerciais, dívida em hotéis, etc). Os valores repassados ao deputado eram, em regra, depositados em contas bancárias de seus assessores ou de empresas a eles vinculadas, sendo que uma das empresas é fantasma.

Ainda segundo a PF, os assessores e as respectivas empresas recebiam valores avulsos das prefeituras por suposta prestação de serviços de assessoria e consultoria para liberarem as parcelas dos convênios por meio de lobby. As obras da prefeitura de Confresa teriam gerado em torno de R$ 413 mil em propinas aos agentes públicos envolvidos, enquanto as de Serra Nova Dourada o montante de R$ 187 mil.

O nome da operação faz referência à palavra “Tapiraguaia”, primeiro nome do município de Confresa. O termo é uma junção das palavras “Tapirapé” e “Araguaia”, dois rios da região norte mato-grossense.

Inserir comentário

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

  • por prof. Welio, em 30 Out 2019 às 06:15

    É a justiça fazendo injustiça.

  • por João Gilberto, em 29 Out 2019 às 18:18

    O quanto será que custou essa decisão ? Fato é que agora o Gaspar ficou dois meses de castigo e não vai mais interferir na produção de provas.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet