Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Sábado 16 de Novembro de 2019

2 1
:
0 3
:
1 6

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Política

1 Nov 2019 - 15:01

MPE: irmão tinha função de arrecadar propina e proteger Silval

Denúncia de promotoras detalha a participação de Antonio Barbosa no grupo do ex-governador

Mídia News

Publicidade

O empresário Antonio da Cunha Barbosa, irmão do ex-governador Silval Barbosa, era responsável por representar o ex-gestor em diversos eventos ilícitos e auxiliar na arrecadação de receita de propina para a organização criminosa implantada no Palácio Paiaguás.
 
A revelação consta na denúncia do Ministério Público Estadual, feita em 16 de agosto passado e que corre na 7ª Vara Criminal de Cuiabá.
 
O documento acusa Silval e seu grupo de receberem R$ 1,9 milhão em propina em troca de benefícios fiscais para as empresas Vale Grande Indústria e Comércio de Alimentos (Frialto) e Nortão Industrial de Alimentos.
 
Além dos irmãos Barbosa, foram denunciados os ex-secretários de Estado Pedro Nadaf e Marcel de Cursi, o procurador aposentado do Estado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o “Chico Lima”, e o empresário Milton Luís Bellincanta, proprietário das empresas Vale Grande Indústria e Comércio de Alimentos (Frialto) e Nortão Industrial de Alimentos.
 
Eles são acusados dos crimes de corrupção, organização crimnosa e lavagem de dinheiro.
 
A denúncia é assinada pelas promotoras de Justiça Januária Dorilêo e Marcia Borges Silva Campos Furlan e possui relação com o esquema de concessão ilegal de incentivos fiscais investigado na Operação Sodoma, desencadeada em 2015.
 
De acordo com o MPE, por conta dos “laços sanguíneos”, Antonio era a pessoa de confiança de Silval, considerado o líder do grupo criminoso.
 
As investigações apontam que uma das tarefas de Antonio era a de proteger a figura de Silval Barbosa.
 
Nos depoimentos colhidos no acordo de colaboração premiada, firmado junto ao Ministério Público Federal e homologado pelo ministro relator Luiz Fux em 2017, Antonio Barbosa chegou a confessar sua participação em diversos esquemas criminosos, onde atuou junto a políticos e empresários no Estado.
 
“A investigação apontou que o denunciado Antonio auxiliava na arrecadação de receita ilícita para a organização criminosa, bem como, na ocultação e/ou dissimulação dos valores criminosamente arrecadados”, disse o Ministério Público na denúncia.
 
“Necessário registrar que a revelação tardia de sua condição de membro da organização criminosa é fruto de sua importância no grupo e imposição do líder denunciado Silval Barbosa, pois se ele fosse exposto, o então governador e ora denunciado Silval Barbosa também apareceria”, acrescentou.
 
O MPE pede a condenação de Antonio por lavagem de dinheiro e organização criminosa.
 
No documento, as promotoras pedem que a Justiça conceda, caso aceite a denúncia, os benefícios da delação premiada para Antonio e a outros denunciados por terem admitido o esquema. Os benefícios de uma delação podem ir da redução da pena até mesmo ao perdão judicial.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet