Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 15 de Dezembro de 2019

1 0
:
4 4
:
4 2

Últimas Noticias

publicidade

Notícias / Geral

16 Nov 2019 - 09:10

Juiz condena Arcanjo a oito anos de prisão por lavagem de dinheiro

Bicheiro foi acusado de criar empresas no Uruguai para lavar o dinheiro do crime organizado

Olhar Direto

Publicidade

O juiz federal João Moreira Pessoa de Azambuja condenou João Arcanjo Ribeiro a oito anos e quatro meses de prisão em regime fechado, pelo crime de lavagem de dinheiro.
 
O bicheiro foi acusado de criar empresas no Uruguai para lavar o dinheiro do crime organizado antes de retorná-lo ao Brasil.
 
O caso começou a ser investigado em 2003 pela Polícia Federal na "Operação Arca de Noé". O bicheiro foi apontado como líder de uma organização criminosa que lavava alta quantia em dinheiro oriundo do crime organizado, por meio de transações com empresas no Uriguai.
 
O magistrado considerou que a organização criminosa não encontrou obstáculos para reciclar a elevada quantia de dinheiro do crime organizado, que demandou diversas operações para que fosse repatriado.
 
Ele então condenou Arcanjo a oito anos e quatro meses em regime fechado, por considerar que ele não atende as condições para fixação de regime inicial menos gravoso.
 
"Assim, agindo, ocultou, dissimulou a natureza, origem, localização, disposição, movimentação de valores provenientes diretamente de crime contra sistema financeiro nacional, introduzindo-os no Brasil em atividades econômicas e financeiras".
 
Arca de Noé
 
A Operação Arca de Noé foi deflagrada em 2002 pela Polícia Federal e desmantelou sistema financeiro à margem do oficial liderado pelo ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro.
 
O então criminoso contava com o auxílio de políticos como os ex-deputados José Riva e Humberto Bosaipo.
 
O objetivo era desviar dinheiro público por meio de empresas fantasmas e depois lavar as quantias nas factorings de Arcanjo.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet