Agência da Notícia

14 anos no MT

Agência da Notícia, Domingo 15 de Dezembro de 2019

0 5
:
4 3
:
5 8

Últimas Noticias

Notícias / Agronegócio

19 Nov 2019 - 10:42

Em entrevista ao Repórter Agro, engenheira de alimentos JBS fala sobre bem estar animal

Em relevância ao assunto, entramos em contato com Laura Menin, engenheira de alimentos e coordenadora do departamento da Garantia de Qualidade JBS- Confresa que nos relatou que, uma carne de qualidade, que satisfaça hoje o consumidor

Repórter Agro

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)

Publicidade

Muitas vezes, o bem-estar animal, não se torna um conceito tão simples de ser entendido. Podendo ter diferentes significados para diferentes pessoas. No geral, ‘bem-estar’ refere-se a qualidade de vida de um animal- se ele tem boa saúde, se suas condições físicas e psicológicas estão adequadas, e se pode expressar seu comportamento natural. 

Em relevância ao assunto, entramos em contato com Laura Menin, engenheira de alimentos e coordenadora do departamento da Garantia de Qualidade JBS- Confresa que nos relatou que, uma carne de qualidade, que satisfaça hoje o consumidor, é proveniente de um processo que se inicia bem antes de chegar na indústria frigorífica. 

Estamos falando do Bem-estar animal nas fazendas, no transporte e posteriormente, na chegada desses animais no estabelecimento.

Cada estabelecimento, atua hoje embasado em sua política de bem-estar -estar animal, visando justamente o cumprimento das normas de qualidade e de segurança alimentar. 

Estruturas, higienização de veículos e de currais, manejo tanto na propriedade quanto nos estabelecimentos, pessoas capacitadas são pontos essenciais para o cumprimento do Bem-Estar animal. A falha ou ausência desses procedimentos, irão acarretar um animal estressado, até mesmo contundido, o que influenciará na qualidade final dos produtos, bem como perca financeira devido hematomas ou carcaças inaptas para consumo. Sendo assim todo o processo produtivo é comprometido e o retorno ao pecuarista se torna indesejável.

Presente hoje no Brasil um Regulamento técnico a qual nos respalda de todo o disposto acima (Regulamento Técnico de Insensibilização para o Abate Humanitário de
Animais de Açougue BRASIL, 1995). 

Além deste os estabelecimentos preconizam profissionais capacitados, com formações técnicas específicas onde os mesmos auxiliam nas tratativas desses animais, quanto a todos os sentidos, visando sempre um animal livre de fome, sede, desconforto ou doenças, que é o que se espera para obter um produto final de qualidade – coloração e maciez desejável a visão do consumidor.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet