Agência da Notícia

Informação é Aqui!

Agência da Notícia, Quarta-feira 29 de Janeiro de 2020

0 4
:
5 1
:
5 8

Últimas Noticias

Campanha Publicitária
publicidade

Notícias / Geral

10 Dez 2019 - 08:34

Desmatamento da Amazônia reduziu chuva em Mato Grosso e afetou safra de soja, diz pesquisa

Período chuvoso encolheu 27 dias de 1998 a 2012; neste ano, ele chegou ao estado com o maior atraso dos últimos cinco anos.

Diario de Cuiabá/ANA AZEVEDO

Publicidade

Neste ano, as chuvas chegaram a Mato Grosso com o maior atraso em cinco anos. A escassez fez com que a soja não germinasse, e os agricultores tiveram que fazer o replantio, no principal estado produtor do país. A explicação está nas árvores, ou na falta delas.

A redução do período de chuvas, como a observada agora, na região que compreende Rondônia, o norte do Mato Grosso, o sul do Pará e do Amazonas, está associada ao desmatamento , mostra um estudo de cientistas das universidades Federal de Viçosa (MG) e da Califórnia (EUA).

A pesquisa que relacionou o desmatamento à diminuição das chuvas no sul da Amazônia foi publicada na revista International Journal of Climatology. Ela detectou uma diminuição de 27 dias no período chuvoso de 1998 a 2012.

Os cientistas analisaram dados de um satélite da Nasa que mede chuvas e de uso da terra. Eles viram que, a cada 10% de uma determinada área desmatada, a estação chuvosa perdeu, em média, 1 dia.

O objetivo dos cientistas é dar prosseguimento ao estudo, mas, para isso, serão necessários recursos, e a ciência está à míngua, explica o coordenador do trabalho, o professor do Departamento de Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Viçosa Marcos Heil Costa.

A Floresta Amazônica é um importante agente do clima e interage com a umidade trazida pelo Oceano Atlântico e os ventos alísios para regular o clima de todo o continente. Seus efeitos são ainda mais sentidos localmente.

Quando a floresta dá lugar a pastagens e a campos cultivados, menos vapor d’água é devolvido à atmosfera.

“Existe uma relação clara entre o desmatamento e a redução das chuvas no sul da Amazônia. E o maior impacto é sobre a segunda safra”, diz ele.

A conta do desmatamento é mais cara para o agronegócio, a atividade que depende profundamente do clima. O replantio da soja, por exemplo, bagunça o calendário de plantio da segunda safra, quase sempre de milho.

Costa diz que uma opção seria mudar da agricultura de sequeiro (que depende das chuvas) para a irrigada. Mas irrigação tem custo, sobrecarrega os recursos hídricos e depende de linhas de transmissão, altamente deficitárias na região.

“O custo do desmatamento é maior do que os produtores estimam e irrigação é apenas paliativo e um paliativo caro, que se refletirá nos custos e nos preços”, afirma o cientista.

Inserir comentário

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet