Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 19 de Janeiro de 2021

1 5
:
0 9
:
3 1

Últimas Noticias

Notícias / Cidades

8 Jan 2021 - 11:30

Denúncia aponta Eraí e Nininho como financiadores de campanha e cita 'lavajatinho'

Arthur Santos da Silva/ Max Aguiar

Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

 (Crédito: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto)
O Ministério Público Eleitoral recebeu denúncia de que o deputado estadual Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), e o empresário Eraí Maggi, conhecido como rei da soja, auxiliaram financeiramente na compra de apoio político durante a eleição de 2020. As informações foram repassadas ao órgão ministerial pelo candidato ao Senado derrotado, Nilson Leitão (PSDB). O alvo das acusações de Leitão é Carlos Fávaro (PSD), eleito no pleito suplementar.Segundo o MPF, Leitão se reuniu com os membros do órgão em 29 de outubro. Acompanhado de seu advogado, o tucano afirmou ainda que o “deputado Nininho é responsável por uma ‘lavajatinho’ no Estado de Mato Grosso, aproveitando-se de sua influência política para conseguir obras para as suas empreiteiras”. 
O Olhar Jurídico divulgou na quinta-feira as informações sobre a suposta compra de apoio. Valor estimado em R$ 200 mil serviu para que o então candidato a vereador, Juca do Guaraná (MDB), direcionasse sua estrutura de campanha em benefício de Carlos Fávaro. Juca do Guaraná atualmente ocupa o posto de presidente da Câmara de Cuiabá.
 
O mesmo documento que cita Juca aponta que Nininho e Eraí supostamente também pagaram R$ 200 mil a Toninho de Souza, que concorreu a uma cadeira de vereador em Cuiabá. A compra de apoio, assim como no caso de Juca, beneficiaria Fávaro.
 
As informações sobre a acusação de compra de apoio constam em inquérito instaurado em face do senador Carlos Fávaro por suspeita de compra de votos em conluio com o deputado estadual Romoaldo Junior (MDB), suplente em exercício.

No caso sobre a compra de votos supostamente ocorrido no município de Alta Floresta, segundo o MP, não restaram identificados eleitores supostamente aliciados. O caso foi arquivado, conforme já noticiado pelo Olhar Jurídico.
 
A assessoria de imprensa do senador Carlos Fávaro afirmou ao Olhar Jurídico que não tem conhecimento sobre os supostos fatos descritos por Leitão e até o momento o Senador não foi notificado pelo Ministério Público.

Bastidores 

Segundo denunciado, Nininho usaria a força política para angariar obras para sua empresa de construção.  

Conforme apurado, as obras estão nas regiões do Araguaia e no Sul de Mato Grosso. 

Nininho também teria feito, segundo informações de bastidores, uma indicação de emenda parlamentar para trazer asfalto até a porta de uma de suas fazendas, na cidade de Itiquira. 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet