Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 22 de Janeiro de 2021

2 3
:
3 0
:
4 0

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Política

12 Jan 2021 - 13:20

Postura de Mendes sobre VLT é arrogante, afirma Emanuel

gazeta digital

Reprodução:

 (Crédito: Reprodução:)
O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), voltou a criticar a postura do governador Mauro Mendes (DEM) em relação à troca do veículo leve sobre trilhos (VLT) pelo sistema de ônibus rápido (BRT na sigla em inglês). Segundo Emanuel o governo não pode ter uma posição "arrogante" e apenas impor uma decisão.

A troca de farpas entre os dois gestores vem de antes da decisão do VLT. Desde que Mendes assumiu o governo, ele e Emanuel têm trocado críticas sobre vários assuntos como o atendimento na saúde, medidas restritivas durante a pandemia da covid-19 e até pelo apoio de políticos em seus partidos.

“Quem tem que discutir o que é melhor, se é VLT ou BRT, é a população. A população tem que ser ouvida como a lei manda, com audiências públicas. A prefeitura também tem que ser ouvida, os técnicos da prefeitura têm que ser ouvidos, não existe a possibilidade de uma posição isolada, unilateral, arrogante, sem nenhum embasamento técnico na calada da noite, as vésperas das festas de fim de ano, e dizer o que é melhor para população", afirmou Pinheiro.

Desde quando o governador anunciou a decisão de não finalizar as obras do VLT e investir no BRT, ainda em dezembro de 2020, o prefeito afirmou que Cuiabá e Várzea Grande deveriam ser ouvidas antes da publicação da medida e entrou com processos para barrar a troca proposta por Mendes.

“O que estou pedindo na Justiça é para parar tudo, compartilhar tudo com Cuiabá. O Governo não tem legitimidade para decidir sozinho, não pode decidir sozinho, tem que ouvir Cuiabá, ouvir a sociedade, ouvir a população cuiabana e ouvir a Prefeitura Municipal de Cuiabá. E eu vou recorrer até o último minuto em defesa de Cuiabá”, argumentou o prefeito sobre as ações que tramitam na Justiça para reverter a decisão.

Emanuel ainda argumentou que a decisão do governo sobre a troca do VLT pelo BRT não obedece à Lei Federal de nº 13089/2015, denominada Estatuto da Metrópole, que estabelece que os Estados, mediante lei complementar, poderão instituir regiões metropolitanas e aglomerações urbanas, constituídas por agrupamento de Municípios limítrofes, para integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum.

"A lei manda isso, você não pode ouvir só o município diretamente afetado, como aqueles indiretamente afetados, que se refere a Leverger, Livramento, Chapada. Essa é a natureza da região metropolitana quando vem uma grande obra, que é o caso do transporte intermunicipal e desse modal. Ninguém foi ouvido, essa é a verdade. O que se discute agora é que eu exijo respeito com a população cuiabana, isso não vai passar ‘goela abaixo’, pelo menos eu vou lutar até o último minuto, vou ‘morrer atirando’, mas eu exijo respeito com Cuiabá, exijo respeito com a população cuiabana", enfatizou o gestor municipal.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet