Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quinta-feira 21 de Janeiro de 2021

1 0
:
4 3
:
1 5

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Polícia

13 Jan 2021 - 17:50

Tribunal nega aumentar fiança paga por pai de atiradora que matou amiga no Alphaville

Arthur Santos da Silva

Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

 (Crédito: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto)
A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) negou provimento ao recurso do Ministério Público (MPE) que buscava majorar fiança de R$ 52 mil imposta ao empresário Marcelo Cestari, pai da adolescente B.D.O.C., autora do disparo que matou a estudante Isabele Guimarães Ramos, 14 anos, com um tiro no rosto no condomínio Alphaville, em Cuiabá.O pedido do órgão ministerial, conforme recurso, buscava imposição de fiança no valor de aproximadamente R$ 104 mil. Decisão negativa é do dia 18 de dezembro de 2020, durante sessão.

Um dos argumentos para o pedido de majoração da fiança foi que Cestari possui alto padrão financeiro e que adquiriu cinco armas de fogo nos Estados Unidos, com gastos de mais de R$ 45 mil, poucos dias antes da morte.
 
O Ministério Público argumentou ainda que o empresário apresenta desprezo pelas regras mínimas de seguranças que se exige dos detentores de arma de fogo, “tratando materiais bélico como objeto de uso corriqueiro, o que demonstra conduta precedente de expor vida de outrem em risco”.
 
Relator do pedido, o desembargador Paulo da Cunha explicou em seu voto que o delito “flagranteado – posse ilegal de arma de fogo – é de mera conduta e embora tenha ocorrido uma grave tragédia que vitimou uma adolescente, comprovou-se que o recorrido – empresário bem sucedido, morador de condomínio de alto padrão, proprietário de automóveis e de aeronave – está passando por dificuldade de liquidez financeira em período de pandemia, ano atípico que afetou não só todos os brasileiros, mas a população mundial”.
 
Além disso, segundo Paulo da Cunha, Cestari “é primário e portador de bons antecedentes, de modo que não há falar-se em periculosidade social ou que ostente desabonos em sua vida pregressa”.Acompanharam Paulo da Cunha os desembargadores Marcos Machado e Orlando Perri.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet