Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 2 de Março de 2021

1 1
:
2 4
:
0 5

Últimas Noticias

Notícias / Política

21 Jan 2021 - 18:00

Seis entidades do transporte alegam que troca de VLT para BRT é injustificável

rd news

Reprodução:

 (Crédito: Reprodução:)
Seis entidades que representam a indústria e os serviços de mobilidade, transporte urbano de passageiros e engenharia no Brasil consideram que o Governo de Mato Grosso agiu de forma simplista e equivocada ao mudar o modal de transporte em Cuiabá e Várzea Grande de VTL para BRT sem estudos técnicos suficientes. Segundo Carta Manifesto divulgada nesta quinta (21), a decisão é injustificável do ponto de vista técnico.

Ocorre que a Assembleia já autorizou o Executivo a promover a mudança do VLT para BRT. Enquanto a Prefeitura de Várzea Grande aceita a iniciativa do Governo do Estado, o prefeito da Capital Emanuel Pinheiro (MDB) alega que a população cuiabana não foi consultada e ingressou com ações judiciais para barrar a processo e já sofreu diversas derrotas.“Comparando a visão do Governo que orientou essa mudança com a visão técnica do setor metroferroviário, baseada nos fatos e sustentada por estudos e projetos, conclui-se justamente pelo oposto, qual seja, que não há elementos técnicos suficientes que justifiquem a alteração do modal e que, no melhor interesse público e benefício da sociedade, no menor prazo possível, as obras do VLT deveriam ser concluídas”, diz trecho do documento.

Segundo as entidades, o manifesto pretende trazer à luz aspectos técnicos não abordados  e provocar um debate  democrático, com audiências públicas  sobre o melhor modal para a população.   No entanto, apresentam uma série de argumentos para defender a implantação do VLT na Região Metropolitana.

Entre os argumentos para defender  o VLT, que a obra terá melhor interesse público e menor custo porque  licenças Ambientais, autorizações, projetos básicos e executivos e demais documentos necessários  já existem e que pode ser viabilizada   com investimentos majoritariamente privados (PPP). Além disso, apontam  menor tempo para publicação de edital de licitação.

Conforme as entidades, o primeiro trecho já está praticamente pronto, bastando dar andamento. Isso porque  o Projeto Executivo existe e está parcialmente implantado.  Já o   material rodante (vagões) já foi adquirido, entregue e está pronto para entrar em operação.  

Outra vantagem elencada é a maior velocidade operacional pois dispõe de menor tempo de carregamento nas estações (portas mais largas), via dedicada (sem interferências), sistemas operacionais que automatizam e otimizam sua operação, como por exemplo o sistema de priorização semafórica.

Custo operacional

Outro argumento defendido é o menor custo operacional, pelo menor número de condutores, pois carrega mais passageiros por unidade. As entidades também sustentam que as  Cabines nas extremidades do VLT facilitam a inversão de sentido nos pontos terminais, enquanto os BRTs necessitam de grandes áreas para manobras, o que implica em mais desapropriações.

   “Os sistemas VLT são conhecidos como indutores de transformações urbanísticas, melhoria da qualidade de vida e desenvolvimento socioeconômico, como ocorreu, por exemplo, no Brasil: Rio de Janeiro e Santos, ou em praticamente todas as 200 cidades em que foi mundialmente implementado, a exemplo de: Bilbao, Zaragoza, Sevilha e tantas outras”, completa o documento.   

Afirmam ainda que  projeto do VLT Cuiabá-Várzea Grande está muito avançado enquanto o do BRT está em fase ainda preliminar, sem estudos definitivos, projetos básicos, executivos, licenças ambientais. Para as entidades, a situação   torna impossível avaliar a alternativa BRT corretamente e, menos ainda, compará-la com o VLT.

“Vale lembrar que as entidades abaixo assinadas desde outubro passado solicitaram, por inúmeras vezes, uma audiência com o excelentíssimo governador para abordar todos estes aspectos técnicos e tentar dissuadi-lo em tomar medidas neste sentido. Em respeito à engenharia, aos estudos nacionais e internacionais, aos projetos de sucesso já implantados, aos procedimentos administrativos e legais, às portarias interministeriais que norteiam o setor, aos recursos públicos já investidos, aos contratos de financiamento público em curso, propomos um amplo debate público para que a verdade venha à tona e com ela fique definitivamente claro que a decisão correta para o caso em tela é terminar a obra do projeto VLT Cuiabá-Várzea Grande”, conclui a Carta Manifesto.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet