Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Segunda-feira 1 de Março de 2021

2 3
:
1 8
:
1 5

Últimas Noticias

Notícias / Economia

27 Jan 2021 - 07:50

Grupo alega "prejuízo em quase tudo" e entra em recuperação com dívida de R$ 196 milhões em MT

Mafini atua no ramo do agronegócio, imobiliário e de transportes

DIEGO FREDERICI

Reprodução:

 (Crédito: Reprodução:)
O grupo Mafini – estabelecido em 1984 em Campo Novo do Parecis (389 KM de Cuiabá), e que posteriormente passou a atuar na região de Lucas do Rio Verde (354 KM da Capital) –, teve o processamento de seu pedido de recuperação judicial autorizado pelo Judiciário. A organização, que atua nos setores do agronegócio, imobiliário e de transportes, acumulou uma dívida de R$ 196,3 milhões ao longo das décadas.

O juiz em substituição legal da 4ª Vara Cível de Sinop (500 KM de Cuiabá), Cleber Luis Zeferino de Paula, autorizou o processamento da recuperação judicial atendendo pedido dos advogados Julierme Romero e Rubem Vandoni. De acordo com os autos, o grupo Mafini iniciou suas atividades em 1984 adquirindo uma fazenda de 1.347 hectares em Campo Novo do Parecis, entregando-a pouco depois como parte do pagamento de uma propriedade ainda maior, de 6.500 hectares, no município de Nova Ubiratã (480 KM da Capital).

Até o fim dos anos 1990, o grupo Mafini concentrava sua atuação no ramo do agronegócio. Com a fundação da Agromil (Agrícola Mafini Ltda), porém, no ano 2000, o fundador da organização, Aquiles Mafini, adquiriu uma área em Lucas do Rio Verde, de 200 hectares, que acabou transformando-se num loteamento (Residencial Mafini), em 2006, com a vinda de um frigorífico para a cidade.

A propriedade foi dividida em 800 terrenos, com expectativa de faturamento de R$ 24 milhões. O início da derrocada, no entanto, começou justamente onde a empresa tinha expertise – o agronegócio.

Em 2014, o grupo havia recebido uma sinalização do Banco da Amazônia de um investimento de R$ 20 milhões para a construção de um armazém com capacidade de 36 mil toneladas de grãos. “Houve uma promessa de liberação de R$ 20 milhões para construção de um armazém com capacidade para 36 mil toneladas de grãos. A promessa é que o recurso seria liberado rapidamente, com isso o grupo iniciou o projeto da obra utilizando recursos próprios, paralelo ao andamento do financiamento na expectativa de que o processo seria ágil”, diz trecho do processo de recuperação judicial.

O investimento, porém, ocorreu só dois anos depois, e em valor abaixo do que havia sido pré-combinado (R$ 13 milhões). Para piorar o cenário, os recursos investidos foram da ordem de R$ 22 milhões.

À partir daí, o grupo começou a sofrer uma série de reveses – inclusive no setor imobiliário. Em 2015, o grupo Mafini foi contratado para construir uma galeria comercial em Lucas do Rio Verde e reclama que foi vítima de um “golpe”. “No ano de 2015, o grupo obteve uma proposta para construção de uma galeria comercial pela empresa Conexões Empreendimentos Ltda., a qual teria aplicado um golpe, indicando que ela vendia os espaços das lojas da galeria e não repassava o percentual cabível ao grupo, além de vender o mesmo espaço para mais de um cliente, causando prejuízo estimado em R$ 3 milhões”, relata a empresa no processo.

O grupo Mafini, então, passou a tocar o projeto da galeria comercial sozinho, transformando o projeto inicial no “Primeiro Shopping Center” de Lucas do Rio Verde. A inauguração estava prevista para 2020.

No entanto, a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) frustrou os negócios uma vez que a organização esperava faturar R$ 350 mil mensais com aluguéis do estabelecimento comercial. Nesse meio tempo, em 2015, duas “invasões” de áreas que pertencem ao grupo também fizeram com que a organização tivesse prejuízos milionários.

Para reaver a área do Residencial Mafini, segundo a organização, foram gastos R$ 2,5 milhões na Justiça. Além disso, a fazenda Agromil I, localizada em Nova Ubiratã, de 2.432 hectares, também foi invadida, causando prejuízos com demandas judiciais da ordem de R$ 5 milhões.

Por fim, a organização, que já chegou a plantar 4.200 hectares de soja e 3.580 hectares de milho em suas terras, reclama da quebra da safra 2019/2020. “Nesse período houve uma quebra de safra e o grupo teve um déficit de 150 mil sacas de soja, gerando um prejuízo na ordem de R$ 22 milhões. As chuvas atrasaram também, a janela de plantio do milho safrinha, pois a estimativa de colheita seria de 420.000 sacas e foram colhidas apenas 180.000 sacas, equivalente a perda de R$ 12 milhões, perdendo o prazo de preparação do solo para plantio e com dificuldade de compra de insumos devido à quebra na safra de soja”, revela outro trecho do processo de recuperação.

No ano passado, o Grupo Mafini foi alvo até mesmo de mandados de busca e apreensão de 6 caminhões adquiridos por meio de um financiamento que não conseguiu honrar, ficando com um prejuízo de R$ 2,76 milhões. A organização estruturou um setor de transportes de grãos apenas para atender sua própria demanda.

RECUPERAÇÃO

Com o processamento admitido pela 4ª Vara Cível de Sinop, a empresa tem 60 dias para apresentar seu plano de recuperação aos credores. Durante 180 dias, ações de execução fiscal, promovidas por outras organizações contra a recuperanda, ficam suspensas (período de blindagem).

Após a finalização do plano de recuperação, ele é apresentado na assembleia de credores, que poderá aceita-lo, modifica-lo ou rejeitá-lo – neste último caso a Justiça decreta a falência da empresa.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet