Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Segunda-feira 1 de Março de 2021

2 2
:
2 0
:
1 3

Últimas Noticias

Notícias / Cidades

8 Fev 2021 - 14:30

Tribunal nega recurso e mantém ação da Rêmora que julga cartel de obras na Seduc

Arthur Santos da Silva

Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

 (Crédito: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto)
Os desembargadores da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) negaram embargos de declaração em habeas corpus para anular fase processual da Operação Rêmora, que investigou esquema de na Secretaria de Estado de Educação (Seduc) durante gestão do ex-governador Pedro Taques. Decisão é do dia três de fevereiro.O recurso em habeas corpus foi impetrado pela defesa do empresário Joel de Barros Fagundes, patrocinada pelo advogado Ulisses Rabaneda. Inicialmente, em julho de 2020, a terceira Câmara negou o habeas corpus. Naquela data votaram contra o pedido os desembargadores Juvenal Pereira e Gilberto Giraldelli. Rondon Bassil, que havia dado provimento ao habeas corpus, acabou vencido.
 
Ulisses Rabaneda alegava que a ação penal resultante da operação deveria ser anulada porque os membros do Gaeco atuaram de forma diversa da prevista na lei que criou o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate à Corrupção).
 
O Gaeco só poderia agir isoladamente em um caso até o oferecimento da denúncia. Após a denúncia ser acatada pelo magistrado, os membros do grupo só poderiam atuar no processo em conjunto com o promotor designado para a vara, o que supostamente não ocorreu na Rêmora.A Operação Rêmora, iniciada pelo Gaeco em 2016, investigou fraudes em licitações e contratos administrativos de construção e reforma de escolas. Segundo o Gaeco, as irregularidades começaram em 2015 e envolveram pelo menos 23 obras e um total de R$ 56 milhões em recursos públicos.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet