Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 23 de Abril de 2021

1 1
:
1 2
:
4 0

Últimas Noticias

Notícias / Agronegócio

24 Fev 2021 - 08:16

Soja fica parada em caminhões por causa de atoleiros na BR-158 e produtores reclamam de prejuízos

As péssimas condições da rodovia causam prejuízos a empresários, caminhoneiros e produtores de soja do estado.

G1-MT

Toneladas de grãos estão se perdendo nos caminhões parados nas filas que se formam no trecho da BR-158, entre Mato Grosso e Pará, por causa dos atoleiros. As péssimas condições da rodovia causam prejuízos a empresários, caminhoneiros e produtores de soja do estado.

Desde que as chuvas se intensificaram, a BR-158 está com filas de caminhões carregados de soja. A rodovia tem 800 km em Mato Grosso. Desses, 120 não são asfaltados porque passam em terra indígenas.

O Departamento Nacional de Infraestrutura (Dnit) fez o projeto de construção de uma nova rota, contornando a área protegida. Já foi feita a licitação de um trecho, e tem estudos para o outro trecho, mas depende ainda de recursos disponíveis no orçamento.

"Uma vergonha para Mato Grosso e para o Brasil. A gente precisa de menos conversa, menos promessa e mais atitude em relação a esse trecho sem pavimentação", diz um produtor rural.

A rodovia federal é um dos principais corredores do transporte de grãos de Mato Grosso até os portos do Pará.

A lentidão causada pelas más condições da estrada provocou um congestionamento que já dura uma semana no Porto de Miritituba , no Pará.

Mato Grosso é o maior produtor de soja do país. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento, o estado é responsável pela produção de 35,4 milhões de toneladas das 133,81 milhões de toneladas que o país deve produzir neste ano.

Além da rodovia federal, as estradas estaduais também tem atoleiros que dificultam o escoamento da produção.

Os agricultores e os caminhoneiros se revezam na tarefa de liberar caminhões que passam pela MT-322.

O problema que se arrasta há anos não acompanha o avanço da produção agrícola. A colheita de soja e o plantio de milho ocorrem ao mesmo tempo, mas quando esbarram na infraestrutura o resultado é de perda.

Um produtor relata que caminhões estão parados há cinco dias na estrada e enquanto isso os grãos estão tomando chuva.

O pátio de uma indústria de óleo e farelo de soja, em Porto Alegre do Norte (MT) está com 50 caminhões parados, o que, de acordo com o empresário Ernando Cardoso, gera prejuízo diaria de R$ 1, 5 milhão.

Os caminhões estão carregados de produto para levar pros clientes da indústria e não pode trafegar e a empresa deixa de faturar porque não consegue entregar o produto e o prejuízo maior ainda é quando o cliente cancela o contrato porque não recebe o produto.

O Dnit informou que enviou equipes para o trecho sem asfalto da BR-158 para ajudar a desatolar os caminhões. Como essa parte da rodovia não pode ser pavimentada vai fazer dois desvios.

Segundo o governo de mato grosso, o estado enviou reforços há dois dias para ajudar a desatolar caminhões na MT-322 - que a gente viu no começo da reportagem - e ela está entre as estradas que vão ser beneficiadas por um pacote de infraestrutura apresentado nesta semana.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet